Shopify

A dura verdade do e-commerce que o empreendedor precisa saber!

E-commerce é a primeira opção de investimentos para a maioria dos empreendedores para alavancar vendas no seu negócio. Imagine só: ter sua própria loja online em um local com possibilidade de acesso para mais de 210 milhões de Brasileiros, cujas vendas crescem a um ritmo meteórico há muitos anos, e ainda mais agora devido ao isolamento e restrições de acesso ocasionado pela pandemia do COVID19, enquanto todos os outros mercados estão em crise.

É verdade que o e-commerce já não é mais o futuro do Varejo, hoje é o presente e a realidade para quase todos os setores, mas a desinformação dos varejistas e empreendedores sobre o que é realmente necessário para se ter um e-commerce é impressionante. A maioria tem a ilusão de que com um endereço eletrônico criado, um layout pronto sem nenhum cuidado com a identidade visual da marca/empresa, com produtos cadastrados sem um bom texto e uma boa foto, um Instagram institucional sem gerenciamento e finalmente compartilhando sua nova loja no Facebook e no WhatsApp para meia dúzia de amigos e familiares, as vendas vão ser um estouro. Doce ilusão!

A verdade é que abrir uma loja online é como abrir uma pequena tenda no meio do deserto. Ninguém vai entrar na sua loja online no inicio porque ninguém sabe como chegar até ela. Seus amigos e familiares não são suficientes para trazer um tráfego relevante para sua página e se você insistir nessa ideia, vai rapidamente entrar para estatística de empresas que fecham em poucos meses.

Mas então é possível ganhar dinheiro com uma loja online?

SIM! É possível! Mas a primeira coisa que você precisa entender é que para criar uma loja online, não tem receita nem uma fórmula mágica, mas sim conhecimento qualificado e experiência. Não tente fazer sozinho, procure uma agência e/ou um profissional especializado para lhe orientar, você até pode conhecer um pouco de uma coisa ou outra mas não serão suficientes, você terá outros desafios na operação da loja online e no dia a dia que vão exigir dedicação e tempo. Deixe para um profissional qualificado cuidar da implantação da sua loja.

Busque conhecer o portifólio do profissional e/ou agência, solicite referências de clientes atendidos e jamais escolhe por ser a mais barata, não necessariamente o que é mais caro é melhor, porem manter uma equipe bem qualificada tem um custo e o mesmo será repassado no orçamento. Portanto saiba que é necessário uma reserva para investimento, assim como para todo novo negocio, o segredo é escolher bem para que o investimento não vire custo, sem ter um retorno.

LAYOUT DO E-COMMERCE

Muitos ficam apenas preocupados com TRÁFEGO X CONVERSÃO X TICKET MÉDIO = FATURAMENTO, mas não é tão simples assim, pois não adianta ter trafego se sua loja não tiver um layout atraente, que explore a identidade visual da marca, despertando o desejo de consumo apenas pelo olhar e um bom designer vai ser o responsável por esse “sex appeal” utilizando conceitos de UX, mantendo a navegação fluida e intuitiva até a pagina de fechamento de compra (checkout).

Usar temas ou layouts prontos pode ser tentador pelo baixo custo, porem vamos concordar que se esse fosse o caminho do sucesso os grandes players do mercado teriam todos o mesmo layout, não é mesmo?

Os cases do mercado investem muito em design e UX, tecnologia evolui muito rápido, todos os dias temos novidades e minha outra dica é também ter um plano mensal (sustentação/ongoing) após o go live com uma agência, para manter seu ambiente atualizado e sempre proporcionando aos consumidores/clientes o que tem de mais moderno se tratando de vendas online.

SEO PARA E-COMMERCE

Não podemos esquecer que a loja online precisa ser otimizado para os mecanismos de busca, afinal o Google ainda não é capaz de rankear uma página a partir da sua qualidade visual e para ajudar o Google é preciso se atentar as heading tags, e posso garantir que menos de 10% dos profissionais do mercado aplicam isso nos projetos de e-commerce e por isso reforço não escolher uma agência por ser a mais barata, pois ter um conhecimento e um profissional de SEO tem um custo e é melhor investir no inicio do que ficar batendo cabeça depois com a falta de vendas em sua loja.


As heading tags podem ser caracterizadas como uma espécie de estrutura que possibilitam a organização de uma página. A partir disto é possível determinar quais são os itens considerados importantes em uma página, criando uma estrutura que possa evidenciá-las e promover a melhora de navegação dos usuários em uma página, além de ampliar a sua capacidade nos motores de busca, como o Google.

De forma simples, as heading tags são recursos utilizados em um código de HTML que possibilite o destaque de títulos e subtítulos de uma página a partir de tags. Essas tags podem ser compostas por seis tags que são distintas entre si, sendo que cada uma possui um valor diante dos motores de busca e até mesmo para a composição da página. As tags são descritas como “H1”, “H2”, “H3” e assim em diante até “H6”.

Portanto, tanto do ponto de vista SEO quanto de qualquer outro, desrespeitar essa hierarquia utilizando-se, por exemplo, de um título em h3 e um subtítulo em h1, a estrutura ficaria no mínimo estranha e confusa, comprometendo até mesmo o rankeamento de seu site nos resultados do Google e, sobretudo, o entendimento de seus leitores em relação ao texto.

Para clarear ainda mais a importância de se respeitar a hierarquia das heading tags, pense nela da mesma maneira que o local onde vive alguém do interior do Paraná, por exemplo, e imagine qualquer um dos itens fora da ordem:

H1 – Terra
H2 – América do Sul
H3 – Brasil
H4 – Paraná
H5 – Curitiba
H6 – Alto da Glória
Ficaria esquisito se algo estivesse fora do lugar, não é mesmo?

TRÁFEGO NO E-COMMERCE

Quem tem uma loja de rua sabe o quão importante é ter uma boa movimentação no seu ponto. Não é à toa que pontos em Shoppings Centers costumam ser muito caros, pois combinam um público com poder de compra e um volume de movimentação elevado. Tráfego, no sentido do E-commerce, é simplesmente criar formas de muitas pessoas acessarem o seu site. Nesse quesito, o Volume de Acessos é uma métrica extremamente importante para medir o progresso de uma nova página.

Mas então, como conseguir ter muitos acessos? Ter acessos é um processo longo, que demanda muita energia, muito relacionamento com clientes e, claro, investimento. Existem algumas formas infalíveis de se gerar tráfego:

– Anúncios do Google (também chamado de SEM): Nesse tipo de anúncio, você escolhe palavras-chave para “comprar” e paga para estar “bem ranqueado” no Google quando alguém pesquisa aquelas palavras-chave. Ao contrário do que parece, esse é um trabalho EXTREMAMENTE difícil e envolve muita, mas muita análise mesmo. Isso porque as pessoas digitam muita, mas muita coisa mesmo no google, e muitas vezes você pode estar pagando por uma palavra errada. Ou mesmo deixando de comprar as palavras que seriam mais efetivas. Além disso, o google tem vários canais – Google Shopping, Youtube, Google Parceiros, etc. Saber distribuir seus recursos entre essas várias opções é a chave para o investimento valer a pena.

– Anúncios do Facebook/Instagram: O Facebook e o Instagram têm uma ferramenta muito simplificada para que páginas possam promover conteúdos (que podem ou não estar linkados com o seu site). Da mesma forma que os Anúncios do Google, o trabalho de investir em promover conteúdos é altamente especializado e eu recomendo FORTEMENTE que você jamais gaste UM REAL no Facebook sem ter uma boa assessoria. Quando bem utilizados, no entanto, o seu dinheiro nas plataformas do Facebook podem gerar um tráfego muito bem qualificado pro seu site, e portanto deve ser fortemente considerado para este fim.

– Anúncios em Sites Especializados: Pagar para expor um banner em um site que já tenha muito tráfego, quase como um “Outdoor Online”. A vantagem aí é que pode se pagar por número de visualizações ou até por número de cliques no seu banner.

– Parcerias pagas em Blogs especializados: diferentemente do anúncio, que normalmente é apenas expositivo, parcerias pagas envolvem, muitas vezes, um texto elaborado pelo parceiro, vendendo algum serviço ou produto da sua loja. Esse tipo de exposição costuma ser muito mais efetiva (traz um tráfego mais interessado em comprar), porém, costuma ser bem mais cara.

– Parcerias pagas para Influenciadores: Todo mundo, ou quase todo mundo, está nas redes sociais. Em TODOS os mercados, tem pessoas que conseguiram reunir uma autoridade ou uma qualidade em seu conteúdo sobre determinado assunto, seja ele automóveis, moda, decoração, passeios, viagens, cachorros, vinhos, cosméticos, etc. E essas pessoas são chamadas de influenciadoras porque, de fato, conseguem influenciar pessoas comuns que não são especialistas a consumir determinados produtos. Nesse sentido, os influenciadores podem ser uma ferramenta poderosíssima para convencer mais usuários a visitar ou conhecer o seu site. Mas CUIDADO: o mercado de Influenciadores está bastante saturado. Muitas pessoas acham que basta alguém ter muitos seguidores (no Facebook ou Instagram) para já considerar um investimento no seu conteúdo como algo seguro. O tamanho da página do influenciador (seu número de seguidores, número de curtidas, etc) é importante sim, mas também é fundamental entender se o perfil do público da página é interessante para o seu negócio, e se ele realmente AS INFLUENCIA.

Não se iluda: construir uma audiência leva tempo: meses ou até anos!!!

CONVERSÃO

Novamente, todo lojista sabe a importância de ter uma boa conversão na sua loja. Isto é, não basta ter um ponto movimentado – as pessoas precisam entrar na sua loja e sair com algum produto. No mundo online, a conversão significa exatamente a porcentagem de usuários que entraram no seu site e fizeram alguma compra. Trabalhar uma boa conversão pode ser um pé-no-saco e a falta dela pode ter razões muito diversas. Eis os principais cuidados que atrapalham a sua conversão:

– Custo de Envio: No mundo todo, é consenso entre os especialistas que o principal fator que atrapalha uma venda online é o Custo de Envio. Se possível, tente criar muitas formas em que o frete seja gratuito para seu cliente (jogue os custos no preço do produto). Se não for possível, pelo menos tente absorver parte desses custos.

– Prazo de Entrega: O número 2 na lista de principais inimigos da conversão é o prazo de entrega. Sobretudo para empresas que não estão no sudeste, esse pode ser a principal vantagem que seu concorrente baseado em SP-RJ-MG terá sobre você. Além de uma malha logística mais estruturada, a maior parte do consumo online vem dessas regiões. Se prepare para pensar em estratégias para diminuir o seu prazo de entrega. Do contrário, em breve, estará fora do mercado.

– Experiência do Usuário: Esse termo é o grande chamego dos especialistas em E-commerce modernos. Apesar do nome “diferente”, Experiência do Usuário nada mais é do que “ter um site bom de navegar”. Isso significa, entre outras coisas: velocidade (um site que abre as páginas rápido), informações fáceis, pouca fricção entre a pesquisa de produtos e a compra (se o cliente tiver formulários pra preencher, esqueça – você não vai vender nada), produtos disponíveis em várias opções, cores, modelos (dê um google no termo “calda longa”), possibilidade de tirar dúvidas (falarei mais a frente em atendimento), etc.

Uma conversão média para E-commerces Brasileiros gira em torno de 0,5%-1,5%. Isto é, para você gerar uma venda, precisa, em média, de 100 pessoas acessando. E esse número só faz sentido se você estiver fazendo um bom trabalho no tráfego – isto é, trazendo pessoas realmente interessadas em comprar o que você se propõe a vender. Por essa razão, o trabalho de Conversão e Tráfego estão intimamente relacionados e são sim Co-dependentes

Por trás de uma e-commerce tem muito mais coisas envolvidas que não foram abordadas nesse texto e que vão além dos serviços de uma agências, porém ao escolher uma agência com knowhow a mesma vai saber auxiliar e dar as orientações corretas para fazer do seu negocio um sucesso de vendas online.

Fale com um dos nossos especialistas, a SERI.E DESIGN é associada da APAGE – Associação Brasileira de Agências e Profissionais de e-Commerce

Curtir:

FacebookmailFacebookmail

Compartilhar:

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmailFacebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmail

Tudo sobre e-commerce: Vale a pena aceitar o Pix na loja online?

Quando o sistema de telefonia móvel foi inventado, algumas pessoas viram o celular como uma forma de perseguição, já que poderiam receber ligações e ser encontradas a qualquer momento. E hoje em dia? Bem, é possível que você esteja lendo este artigo no seu smartphone.

O Pix, sistema de pagamento instantâneo criado pelo Banco Central, enfrenta o mesmo tipo de resistência no momento.

Muitas pessoas expressaram receio em se cadastrar no Pix por medo de terem seus dados bancários roubados, ou ainda por verem o Pix como uma forma de ficarem presas a uma instituição financeira.

Apesar dos muitos boatos que circulam pela internet, o Pix faz parte de uma grande revolução no envio e no recebimento de valores — é uma mudança que está em curso em todo o mundo. Sistemas de pagamento instantâneo já existem em mais de 50 países, e o Brasil agora se junta a essa tendência com o Pix.

Se você não sabe o que é Pix ou se deve oferecê-lo em sua loja, então este artigo é para você. Reunimos aqui informações sobre o funcionamento do Pix, bem como uma série de benefícios que esse novo meio de pagamento pode trazer para seu e-commerce.

O que é Pix?

O Pix é um meio de pagamento instantâneo, lançado pelo Banco Central em novembro de 2020, com o objetivo de futuramente substituir as transferências TED e DOC. Ao se cadastrar no sistema do Pix dentro do site ou do aplicativo de uma instituição financeira, o usuário tem acesso a essa opção na hora de realizar pagamentos ou transferências de valores.

Para se cadastrar no Pix, basta acessar o aplicativo ou site de seu banco e criar uma chave Pix. Sua chave Pix pode corresponder a um desses quatro meios de identificação: CPF/CNPJ, e-mail, número de telefone celular ou uma chave aleatória — uma combinação de letras e números que funciona como um login.

Com o Pix, é possível transferir valores para contatos no celular ou ainda fazer pagamentos no e-commerce por QR code, que mostrará o valor da transação e a identificação do recebedor.

Benefícios do Pix para seus clientes

A principal vantagem do Pix para os consumidores é a praticidade: o pagamento pode ser feito com o próprio smartphone, a partir da lista de contatos da pessoa ou por meio de um QR code — ou seja, sem a necessidade de inserir dados bancários ou de cartão.

Além disso, por ser um meio de pagamento instantâneo, as transações são processadas e confirmadas em questão de segundos — diferentemente das transferências TED ou DOC, que levam horas ou dias para serem concluídas.

Outro benefício para o cliente é que não há cobrança de taxa de transferência feita por pessoas físicas.

Por que oferecer o Pix como meio de pagamento?

O novo sistema de pagamento instantâneo do Banco Central é especialmente vantajoso para lojistas. Incluir o Pix nos meios de pagamentos aceitos em sua loja poderá trazer benefícios para suas finanças e até mesmo para suas vendas.

Trata-se de um meio de pagamento mais barato para o e-commerce: as transferências são feitas do cliente diretamente para o lojista, eliminando assim a necessidade de intermediários no processo.

Com outros métodos de pagamento, como boletos bancários e cartões de crédito, o lojista só vem a receber o valor referente à compra alguns dias ou até mesmo semanas depois. Já com o Pix, que é um meio de pagamento instantâneo, o valor fica disponível para o lojista imediatamente após a transação.

As transações feitas com o Pix serão bastante seguras para os lojistas por três motivos:

  1. O Banco Central é o responsável por monitorar todo o sistema do Pix, o que traz mais proteção para o processo;
  2. O Banco Central dispõe da infraestrutura centralizada necessária para implementar um complexo sistema de liquidação pelo valor bruto em tempo real (LTBR);
  3. Por se tratarem de pagamentos instantâneos, as compras feitas com o Pix não são passíveis de cancelamento.

Use o Pix para vender mais

As formas de pagamento oferecidas pela loja estão entre os fatores que mais influenciam a decisão do consumidor na hora de concluir a compra. Quanto mais diversos forem os meios de pagamentos oferecidos, o cliente terá menos razões para desistir da compra.

Suas taxas de abandono de carrinho também poderão diminuir, uma vez que o processo de compra será simplificado por conta do QR code. Em vez de ter que inserir dados de cartão ou pagar boletos, o cliente poderá apenas escanear o QR code oferecido pelo e-commerce e realizar o pagamento de forma imediata.

A praticidade desse meio de pagamento tornará o processo de compra mais ágil, e a eliminação de alguns obstáculos no checkout pode levar a mais conversões.

A previsão é de que, muito em breve, esse novo sistema de pagamento instantâneo seja amplamente usado pelos consumidores — o acordo firmado pelo Banco Central obriga todos os bancos com mais de 500 mil contas ativas a oferecer o Pix como meio de pagamento. Adiantar-se a essa tendência pode fazer com que clientes optem por sua loja em vez da concorrência justamente pela possibilidade de fazer compras com o Pix.

Vale ressaltar também que estar à frente em termos de tecnologia faz com que os consumidores tenham uma percepção positiva de sua marca. Em geral, o público aprecia empresas que estão por dentro das novidades tecnológicas.

O Banco Central realizou uma série de webinars nos últimos meses para tirar dúvidas da população a respeito do Pix. Em um desses webinars, foi feito um painel para discutir o uso do Pix como meio de pagamento no varejo. Você pode conferir abaixo o webinar “Pix como solução de pagamento para o varejo” na íntegra, ou então salvar o vídeo para assistir depois.

Comece a usar o Pix em sua loja online

Se você se empolgou com os benefícios do Pix e quer começar a aceitar esse novo meio de pagamento, basta se cadastrar e, em seguida, vincular o número identificador de sua conta bancária ao Pix.

Ainda é muito cedo para prever como será a disseminação desse sistema de pagamento instantâneo, então se você não quiser dar esse passo no seu e-commerce agora, não tem problema. Você já está munido de informações valiosas para tomar uma decisão no futuro.

fonte: Shopify

Quer ter um e-commerce de sucesso? Entre em contato com nossos especialistas agora

Curtir:

FacebookmailFacebookmail

Compartilhar:

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmailFacebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmail