Agência digital especializada em e-commerce – Desenvolvimento de layout pra E-commerce, Tray Commerce,Fbits, MercadoShops, Sites, Design Gráfico. Eleita a agência com melhor atendimento.

Telefonligue agora!

(11) 4115-8384

Pessoas compram experiências, não produtos”, diz CEO da Adobe

“Você se lembra das suas últimas férias?”, pergunta Shantanu Narayen, CEO da Adobe a um auditório com 12 mil pessoas. Analistas, profissionais de marketing e funcionários de empresas parceiras estão lá para saber o que a empresa prepara para o futuro. E ainda assim, o presidente da companhia quer falar sobre sua última viagem (que, por sinal, foi a Nova York, com sua esposa, para encontrar o filho que mora lá). Mais do que nunca, explica ele, é importante falar sobre experiências. A viagem durou 48 horas e foi planejada com pouquíssima antecedência – o que só foi possível por causa de várias plataformas online para comprar entradas para um musical, reservar o quarto de hotel, comprar a passagem aérea – mas apesar do pouco tempo lá, a experiência foi marcante, diz.

“Quando você lembra das experiências mais importantes da sua vida, pode não se lembrar dos detalhes, mas é a experiência geral que fica”, afirma Narayen. E apesar de o resultado final – a plataforma para reservar o hotel – parecer simples, há muito trabalho por trás disso. “Antes, os produtos eram a base da diferenciação, mas não mais. E para cada experiência positiva criada, houveram várias experiências ruins, que podem danificar o seu negócio”.

Durante a abertura do Adobe Summit 2018, em Las Vegas, ele afirmou que todos os negócios hoje precisam ter como base criar experiências para os usuários. E defende que todas as companhias podem fazer isso, inclusive aquelas que fornecem produtos e soluções para outras empresas (B2B). Afinal, diz ele, a expectativa das pessoas não muda quando vão para o escritório.

Brad Rencher, vice-presidente executivo da Adobe, ressaltou a importância de melhorar cada vez mais a experiência dos usuários. Recentemente, contou, ele começou a receber mensagens da companhia aérea Delta assim que a sua mala é colocada no avião – e quem já teve uma mala perdida sabe o valor dessa simples mensagem. “Parece simples, mas é muito difícil de realizar uma coisa dessas”, afirma.

Segundo uma pesquisa realizada pela Adobe, as empresas líderes em criação de experiência, independentemente do ramo de atividade da empresa, têm uma percepção de marca 1,6 vez maior, têm 1,7 vez mais a retenção de novos clientes, e o crescimento da receita é 36% o mais rápido, além de reportarem também em maior satisfação dos clientes.

E para melhorar a experiência dos usuários, os principais executivos da empresa falaram sobre a necessidade de uma “hiper-personalização em escala” para o marketing.

Para isso, diz Rencher, um grande desafio que as empresas enfrentam é a falta de unidade dos perfis dos consumidores. Diversas áreas da empresa recolhem determinados dados sobre um consumidor e têm visões diferentes sobre ele, explica. Quem nunca recebeu propagandas sobre um produto depois de tê-lo comprado? Além de ser ineficaz para a emrpesa, isso gera uma frustração no cliente, afirma Rencher. Para lidar com isso, a Adobe lançou hoje o Experience Profile, uma plataforma desenhada especificamente para unificar os dados de cada cliente. “Além de colocar todos os dados em uma caixa única, é preciso criar um sentido para essas informações”, afirma Rencher. A ferramenta de perfil dos consumidores também se integra ao programa de inteligência artificial da Adobe, o Sensei. Outras soluções mostradas durante o evento facilitam a segmentação da publicidade online e criação mais ágil de peças publicitárias que se encaixam nos diferentes formatos online, de banners nos sites a emails.

“O machine learning nos ajuda na segmentação, na previsão da jornada do consumidor e permite uma experiência segmentada”, diz Rencher. “É uma forma de usar de uma forma prática aqueles dados que você coletou”.

Adobe Advertising Cloud, por exemplo, cria automaticamente novos tamanhos e formatos de uma peça publicitária – algo que atualmente toma muito tempo dos designers. Além disso, a ferramenta facilita a segmentação. Em um exemplo mostrado no palco, é possível alterar a foto e o texto de um anúncio em minutos, e destinar aquela comunicação a um público bastante específico (como pessoas de 18 a 24 anos que moram em Chicago, por exemplo). Assim, em vez de perder tempo criando vários formatos da publicidade e imaginando qual seria o resultado de determinada campanha, é possível colocar isso no ar rapidamente.

Transformação digital
O CEO da Adobe falou sobre a necessidade da transformação digital nas empresas e de uma mudança de mentalidade das companhias. Para conseguir criar uma experiência, as empresas precisam diversificar o design, diz ele, que não está mais apenas na criação de um site ou de uma peça publicitária. “O mundo é muito mais complexo que isso hoje, o design está em tudo, precisamos pensar em experiência em realidade virtual ou realidade aumentada, e é preciso criar engajamento também no mundo off-line”, diz Narayen.

As empresas também precisam aprender a usar os dados com inteligência, “para entender o que se passa na vida das pessoas, em tempo real, não atualizando uma vez por dia ou a cada semana”. Para lidar com a imensa quantidade de dados disponíveis, ferramentas de inteligência artificial e machine learning são cada vez mais importantes.

Por último, ele falou sobre as mudanças que precisam ser feitas na cultura das empresas. “Os processos das empresas foram feitos em outro mundo e para outro mundo. É preciso criar uma nova arquitetura dentro das empresas e prepara-las para a transformação digital”.

*A jornalista viajou a convite da Adobe – Fonte: epocanegocios

B2W vai disputar mercado no Brasil com gigantes como AliExpress e eBay

A B2W (dona de Americanas.com, Submarino, Shoptime e Sou Barato) entrou no disputado mercado de vendas de produtos importados pela internet, o chamado comércio cross-border, numa estratégia para duelar com gigantes como eBay e AliExpress. Sem alarde, no dia 19 deste mês, o site da varejista ganhou a opção de compras Americanas Mundo, que permite ao consumidor adquirir mercadorias de empresas estrangeiras, segundo consta em relatório do BTG Pactual. Inicia as operações com um sortimento de 200 mil itens. A meta, contudo, aponta o levantamento, é bater dez milhões de produtos comercializados até o fim de 2019 e alcançar R$ 5,7 bilhões em vendas brutas em 2025.

O cálculo do BTG, classificado pelo banco como conservador, avalia que as vendas brutas do marketplace internacional — por ora composto de fornecedores de Estados Unidos e China — equivaleria a 8% das vendas brutas totais da B2W em 2025. Com a divulgação das informações, os papeis da B2W registram alta de 1,68% na Bolsa nesta segunda-feira, fechando cotados a R$ 12,65.

O Americanas Mundo, que oferece itens em segmentos como relógios, eletrônicos, automotivo e brinquedos, ainda não permite ao consumidor incluir produtos dessa nova modalidade de e-commerce na mesma cesta de compras da Americanas.com. Embora o reltório do BTG afirme que as entregas seriam feitas em um prazo de até 30 dias sem custo ou em até sete dias, com entrega feita por uma outra empresa, o site alerta que os itens levam de dez a 50 dias para chegar ao comprador.

O valor do frete, quando contratado de outro fornecedor que não os Correios, é calculado caso a caso. Enquanto o imposto de importação, o recolhimento de ICMS e um eventual gasto com despacho postal ficam a cargo do consumidor, que deve acompanhar o percurso do produto adquirido pelo site. Os produtos com preço de até US$ 50 estão isentos de taxas.

A B2W, avalia o relatório do BTG, tem três razões principais para ser bem-sucedida na nova operação. A companhia conta com forte tráfego de usuários, ampla oferta de itens e foco em entregar uma experiência de qualidade ao consumidor. É passo acertado em um mercado que deve triplicar de tamanho nos próximos anos, diz o levantamento.

A companhia encerrou o terceiro trimestre de 2018 com prejuízo de R$ 105,8 milhões, aprofundando a perda de R$ 88 milhões registrada em igual período do ano anterior. O total de vendas on-line, no entanto, avançou para R$ 3,6 bilhões, alta de 23,7%. Se o recorte de resultado for apenas pelo desempenho do marketplace, o total bateu R$ 1,89 bilhão, salto de 64,5%.

Concorrência com grandes não é fácil
Alexandre van Beeck, sócio da GS&Consult, afirma que competir com as grandes do e-commerce internacional não é fácil, mas é o único caminho:

— É o caminho natural para os grupos que querem fazer frente a esse novo varejo. É preciso ampliar a atuação e trabalhar com as novas oportunidades. Não dá para seguir nesse jogo sem fazer esse movimento ou ficar esperando que outros concorrentes façam isso antes. O desafio da Americanas.com será encontrar uma forma de ter relevância frente a concorrentes como AliExpress ou Amazon.

Com base no conhecimento que a B2W tem do consumidor brasileiro, continua ele, a operação deverá colaborar para impulsionar o resultado da companhia futuramente.

Os gigantes desse setor têm grande pegada em comércio cross-border . A Amazon, que também já atua no Brasil, tem 30% de suas receitas geradas fora dos Estados Unidos. Já no caso do Alibaba, menos de 10% dos ganhos vêm de fora da China.

Foi justamente o grupo chinês que dominou esse segmento de e-commerce no Brasil em 2017, segundo o BTG. Naquele ano, 22,5 milhões de brasileiros compraram em sites internacionais, sendo que 54% deles escolheram o AliExpress. No total, as vendas nesse negócio cross-border somaram US$ 2,7 bilhões no país, avanço de 15% sobre 2016. O tíquete médio, contudo, caiu para US$ 37, ante US$ 35,7 um ano antes.

Fonte: oglobo

Blog para e-commerce e sua importância para todo o negócio!

Blog para e-commerce e sua importância para todo o negócio!
Blog para e-commerce e sua importância para todo o negócio!

Não existe novidade alguma em dizer que a maioria dos e-commerce do mercado não tem um blog. Seja ele um blog corporativo ou institucional.

Mesmo com a enorme quantidade de artigos falando sobre a respeito da importância de se investir na criação de um blog para e-commerce, muitos gestores e empreendedores ignoram este fato.

Todavia, já lhe aviso que este é  o principal e mais importante ponto se você quiser se destacar dos concorrentes!

Aqueles que acompanham as tendências de mercado conhecem todos os benefícios e a importância do blog, principalmente quando falamos sobre aumentar o tráfego e os leads.

Desta forma, existem inúmeras vantagens para quem acredita e investe nesta ferramenta, principalmente o e-commerce.

Pensando de forma racional, se a maioria dos seus concorrentes não realiza investimento em blog, esta é uma oportunidade competitiva para você, já que esta é a chance se destacar dos concorrentes.

Ainda não está convencido e tem dúvida se vale ou não investir seu tempo, o artigo abaixo mostrará as razões fundamentais sobre a importância do blog para e-commerce.

Bora lá?

 

O blog possibilita ser reconhecido nas mídias sociais

Caso você ainda não tenha um blog para e-commerce, é possível que o compartilhamento de conteúdos nas redes sociais não seja sua prioridade.

Mas, no momento em que você começa a usar o blog para comunicar conteúdo de qualidade, você estará no caminho certo do sucesso!

Desta forma, sua empresa será notada e seus conteúdos compartilhados em outras mídias sociais, gerando mais interessados, seguidores e no momento certo, leads para o seu e-commerce.

Não existe regra, mas evite postar sempre sobre o mesmo assunto.

Blog para e-commerce, o importante é entender sua persona saber o que gosta de ler ou compartilhar. Precisamos tornar isso uma vantagem competitiva.

Lembre-se de variar o formato dos conteúdos escritos. O blog precisa entender sua persona e apresentar conteúdo em infográficos, vídeos, e-books ou whitepapers ajudará nesta missão.

Criar uma boa estratégia e estar presente nas principais redes sociais é fundamental (Facebook, Twitter e Instagram)

 

O blog para e-commerce atrai tráfego

Simples assim!

A partir do momento que você produz um bom conteúdo para o blog do e-commerce, ele atrai atenção para o seu site. Claro que o SEO é importante, por isso, recomendo seguir algumas regras básicas.

A estratégia é clara. Conforme a produção de conteúdo para o blog do e-commerce for produzida, novos posts serão publicados, indexando novas páginas e assim, mostrando uma maior relevância para os buscadores (Google, Yahoo, Bing e etc).

O Google verifica o site de tempos em tempos, visando analisar e classificar o site nas pesquisas. Assim sendo, manter constância e periodicidade é importante.

A estratégia de conteúdo para o blog post precisa ser relevante, busque ajudar os leitores com seu conteúdo. Não é uma tarefa fácil, mas acredite no médio a longo prazo dará resultado!

Invista algum tempo realizando o link building (colocar links dentro dos próprios posts) do blog. O Google considera esta uma das principais na hora de avaliar e ranquear um site.

 

O blog transmite credibilidade e idoneidade da empresa

Isso mesmo, o blog pode transmitir toda a personalidade da sua empresa para a sua persona. Desta forma, o blog do e-commerce se mostra seguro, passa confiança para o leitor e melhora o engajamento do cliente com a empresa.

Tenha certeza de deixar ativo os comentários em todas as postagens, isso além de mostrar que você está interessado em ouvir seu leitores, incentivando-os a escreverem. Estes comentários podem ser utilizados por você no futuro para ideias na produção de conteúdos de interesse.

No geral, responda a todos comentários, positivos e principalmente os negativos. Seja claro e objetivo, desta forma, seu e-commerce será reconhecido por ser correto e sincero com todos.

 

O blog para e-commerce ajuda o público a comprar de você

Vamos supor que você executou diversas estratégias de tráfego e através disso, conseguiu atrair alguns visitantes para seu e-commerce, mas e agora? Quais os próximos passos?

Aqui é um momento de tomar muito cuidado, pois atrair o cliente não é fácil, você empenhou tempo e intelecto para criar oportunidades para isso, então não é hora de deixar esse lead em potencial desaparecer.

Um blog para e-commerce é a melhor ferramenta para que isso não aconteça!

O blog tem o poder de influenciar o cliente e por meio dos conteúdos, será possível melhorar seu “posicionamento” perante o cliente. Com seu conteúdo relevante, você passará de um simples e-commerce para um especialista do produto. Desde que você se proponha a fazer e faça bem!

Perceba, o público em geral está interessado em novidades, então focar em lançamentos, cases exclusivos pode ser uma boa.

Tenha em mente que o blog de e-commerce deve despertar o interesse, atração e consideração. Mostre autoridade sobre o assunto/produto que vende.

Demonstre interesse nos possíveis clientes, envie dicas que agreguem para eles ou o produto em questão a fim de incentivar eles a comprarem contigo.

 

O blog aumenta sua base de informações

Toda empresa quer mais leads, certo?! Nós queremos! rs

O primeiro passo é produzir e postar conteúdo relevante e de interesse das pessoas. Algo realmente valioso para eles e que os façam querer voltar para consumir mais e mais.

Depois de criar o blog é interessante disponibilizar o conteúdo produzido pelo e-commerce. Minha sugestão é que você viabilize assinaturas de lista de e-mail, a famosa Newsletter.

Dessa forma, você conseguirá atualizar a todos os integrantes da lista com os conteúdos mais atuais ou novidades relevantes, mantendo e com o tempo, aumentando a lista de inscritos.

Uma estratégia bastante aplicada, pois funciona, é a de oferecer um material rico, como um e-book, como isca digital. Além de engajar o cliente, você aumenta o fit dele com a marca, melhorando seu Branding.

Lembre-se de nunca enviar sequência de e-mails para pessoas não cadastradas em sua lista, evitando SPAM. Além de chato, isso diminui a chance de algum querer fazer negócio com seu e-commerce.

Trabalhe conteúdos ricos, objetivos e relevantes para o seu público. Com o tempo tudo vai se encaixando, o tráfego aumentando…acredite!

 

O blog para e-commerce faz sua marca atingir alcances maiores

Todo empreendedor monta um negócio com um objetivo, mas essencialmente todos tem um objetivo básico e primário, possuir clientes. Agora, como os clientes vão encontrar seu site ou sua marca?

Quando precisamos gerar tráfego, basicamente precisamos receber mais atenção. Quando trabalhamos com conteúdo, precisamos criar algo INCOMENSURÁVEL para o blog. Feito isso, podemos explorar os compartilhamentos nas redes sociais.

As pessoas gostam de compartilhar conteúdos que agreguem valor para elas e seu círculo de amigos. Título curiosos, listas e infográficos são os preferidos na hora de compartilhar.

Com o passar do tempo, mais e mais pessoas chegaram até o seu blog e conheceram o seu trabalho ou produto em questão. Mas para que isso aconteça lembre-se de produzir conteúdos INCOMENSURÁVEIS. Habilitar a opção de compartilhamento no blog do e-commerce é super recomendado também, rs!

Deixe que o seu cliente fale por você e assim convença outros a respeito do seu trabalho. O comentário autêntico de um cliente vale mais que suas 1.000 palavras!

 

E ai, o que você está esperando para começar a impactar seu público?

Com as dicas sobre a importância do blog para e-commerce, acredito que você esteja convencido e motivado. Essa estratégia, provavelmente conseguirá mudar os resultados atuais da sua empresa e construir uma base sólida de clientes e leads.

Principalmente quando estamos em um mercado cada dia mais competitivo, se diferenciar da concorrência e inovar é sempre necessário. Além de ser uma vantagem competitiva e forma adicional de se engajar com seu público.

Dúvidas ou sugestões sobre blog para e-commerce? Deixa lá seu comentário!


Análise da concorrência: identifique seus competidores diretos e indiretos

Análise da concorrência: identifique seus competidores diretos e indiretos

Análise da concorrência
Análise da concorrência

Como identificar concorrentes diretos e indiretos, como analisá-los, monitorá-los e o que aprender com eles.

Conquistar competitividade e se diferenciar no mercado são os desafios de todo empreendedor. No ambiente online, essa tarefa pode ser ainda mais difícil devido à grande quantidade de competidores diretos e indiretos. No entanto, uma boa análise da concorrência por meio do benchmark é o primeiro passo para alcançar seus objetivos.

O benchmark é uma estratégia que prevê avaliar, mensurar e comparar operações e ações executadas por empresas que são referência dentro e fora do seu mercado de atuação. Nesse processo, o propósito é identificar as melhores práticas que podem ser adaptadas para o seu negócio, a fim de aumentar as chances de sucesso.

Esse contexto considera também os concorrentes diretos e indiretos. Os primeiros são aqueles que oferecem produtos ou serviços iguais ao seu, desejam alcançar a mesma persona e o mesmo segmento de mercado. Um exemplo são duas agências de viagens.

Por sua vez, os concorrentes indiretos são aqueles que oferecem produtos ou serviços diversos, mas que são capazes de substituir os seus. No caso da agência de viagens, um exemplo seria a companhia aérea. Com essa explicação, ficou mais fácil entender a divergência de conceitos e como esses competidores impactam o seu negócio, certo?

A questão é: de que maneira é possível analisá-los, monitorá-los e identificá-los para potencializar seus ganhos e aprender com eles? É o que veremos neste artigo. Confira!

Comece a análise da concorrência pelas empresas mais influentes do mercado

Pouco adianta observar empresas que têm resultados parecidos com os seus. Para fazer o benchmark, o ideal é utilizar os melhores players do mercado, ou seja, aquelas organizações que são referência e consideradas vitoriosas em seu campo de atuação.

Essas companhias podem atuar ou não no mesmo nicho que o seu. Por exemplo, se você trabalha com venda de produtos, um bom parâmetro é avaliar o atendimento da Disney, que oferece exemplos relevantes nesse setor, especialmente no que se refere à oferta de uma experiência única.

Defina pontos fortes e fracos de cada concorrente

A análise da concorrência deve passar pela identificação de pontos positivos e negativos do negócio, porque é assim que você descobre quais estratégias de vendas surtiram efeito e aquelas que devem ser ignoradas. Para isso, considere os seguintes fatores:

  • qualidade, embalagem e performance do produto;
  • site do competidor, a partir de requisitos como usabilidade, responsividade etc.;
  • estratégias de marketing, com detalhes sobre qualidade das propagandas, divulgação, promoções e mais;
  • preço, inclusive condições de pagamento;
  • equipe de vendas, por exemplo, qualidade e quantidade de atendentes e cargos que lidam com os clientes de maneira direta;
  • aspectos logísticos, como é o caso de prazos de entrega, estratégias de distribuição, contratos com transportadoras, entre outros;
  • credibilidade do competidor, isto é, solidez da marca, tempo de atuação no mercado e mais quesitos.

Ao fazer a análise da concorrência, considere que os pontos fracos são determinados a partir do que a concorrência precisa aperfeiçoar. Por exemplo: imagine que um aspecto positivo seja a eficácia da equipe de vendas, que recebe muitos elogios. Quando há reclamações, esse critério se torna negativo.

Você pode utilizar os pontos de fragilidade da concorrência para se destacar — basta melhorá-los. É importante perceber que, boa parte das vezes, os aspectos positivos e negativos estão embasados na presença ou ausência de itens essenciais para o funcionamento do negócio.

Além disso, esses critérios costumam ser contornáveis. Por isso, vale a pena avaliar também a capacidade dos competidores de reagirem às oportunidades. A resposta pode ser favorável a você, se eles forem pouco flexíveis.


Utilize ferramentas para encontrar dados dos concorrentes

Utilizar ferramentas para a coleta de dados dos competidores é essencial para facilitar o processo. Por meio das informações, torna-se possível delinear o comportamento e o perfil dos negócios, com pontos positivos e negativos, parâmetros e outras condições relevantes.

Veja os recursos mais comuns e válidos para encontrar dados dos concorrentes!

Google Alerts

O Google Alerts monitora menções à sua marca e a concorrência, além de palavras-chave mais utilizadas. Pelas definições de termos e empresas de interesse, são gerados relatórios e estatísticas automáticos.

SocialMention

Trabalha em tempo real — e essa é uma das principais vantagens. O uso do SocialMention é simples, com a busca por nome da empresa, palavra-chave, termo ou produto. O site apresenta os resultados e permite mensurar a popularidade de companhias, eventos ou lançamentos em determinado período.

Google Trends

Utiliza gráficos para mostrar a frequência de pesquisa de palavras-chave e termos específicos. Com o Google Trends é possível delimitar idiomas e regiões para obter informações sobre comportamento do público e sua relação com a concorrência.

SEMRush

O SEMRush é ideal para focar a concorrência. A análise da concorrência é feita por palavra-chave e termos, sendo que é possível mensurar empresas e marcas a partir das palavras que geram tráfego para o site. A ferramenta também apresenta o valor médio de Custo por Clique (CPC), vocábulos indexados e quais são usados em links patrocinados.

Identifique o diferencial de cada um e compare com o seu

Toda empresa tem um diferencial competitivo — e encontrá-lo é essencial para saber em qual aspecto seu negócio é capaz de se destacar. Entre os fatores que contribuem para essa relevância estão: preço baixo, atendimento de qualidade, produto diferenciado, peso da marca etc.

Ao fazer essa comparação, fica mais fácil saber quais são as vantagens proporcionadas por uma empresa e qual é a valorização oferecida pelos consumidores a esses aspectos. Se você for incapaz de alcançar o mesmo preço, por exemplo, deve focar na qualidade do produto e/ou o atendimento. Outra possibilidade é a agilidade da entrega, que atrai a atenção de quem compra online.

Analise os cases de sucesso

Os exemplos de êxito da concorrência são boas alternativas para ter ideias para o seu negócio. Muitas vezes, essas iniciativas têm a ver com investimentos, mas boa parte delas também estão relacionadas ao aproveitamento de oportunidades e habilidades.

Verifique o que foi feito, os resultados atingidos e as ações executadas. Identifique os erros e acertos, bem como os ativos-chave que levaram aos resultados positivos. Veja quais são os diferenciais das empresas e analise o que elas parecem ser, além do que verdadeiramente são. Se possível, anote as informações em uma planilha, com os nomes dos concorrentes e quesitos essenciais.

Segmente as características do concorrente de acordo com alguns serviços

Além de todas as recomendações, vale a pena verificar alguns aspectos da concorrência a partir de serviços oferecidos, como:

  • atendimento;
  • ambiente físico ou virtual;
  • qualidade de produtos e serviços;
  • comunicação;
  • ticket médio, ou seja, o valor médio adquirido por cliente.

Ao fazer essa separação, você tem uma visão mais ampla e estratégica, que ajuda a identificar os pontos fortes e fracos. A comparação dos dados também facilita saber o que seu negócio precisa fazer para melhorar e alcançar um patamar mais elevado.

Todas essas ações ajudam a aprender com os concorrentes a partir do viés das melhores práticas, exemplos de sucesso e quesitos que fazem um negócio ser referência no mercado. No entanto, as atividades analisadas nunca devem ser copiadas, para evitar o risco de plágio.

A análise da concorrência sempre deve focar em atitudes que podem ser aperfeiçoadas e adequadas à sua marca. Assim, você não copia o que o outro está fazendo e garante os melhores resultados.

E você, já executa algumas dessas práticas na sua empresa? Identificou algo que precisa ser melhorado no seu negócio? Deixe seu comentário e compartilhe suas experiências!

3 sinais de que o seu site profissional precisa ser renovado

3 sinais de que o seu site profissional precisa ser renovado

Criar Site profissional ou renovar site profissional
Criar Site profissional ou renovar site profissional

Criar um site profissional é a chave para o seu negócio decolar!

Site profissional. Você já trabalha com a venda online de produtos, mas seu site profissional pode ser melhorado. Com um faturamento estável, chegou o momento de tomar essa decisão, que deve ser bem pensada e consciente — afinal, o investimento precisa valer a pena.

Por isso, o primeiro passo é refletir sobre quais são seus objetivos ao manter o site. Por exemplo: aumentar as vendas, oferecer um atendimento diferenciado, trazer autoridade para a marca etc. Essa análise é a base para uma possível renovação, porque é a partir dela que você identifica as oportunidades que está perdendo.

Para ajudar na sua reflexão, listamos, neste post, 3 sinais que indicam que você precisa renovar o seu site. Além disso, entenderá por que vale a pena profissionalizá-lo ainda mais e qual é o potencial de retorno que essa medida traz para o seu negócio. Vamos lá?

3 sinais de que é preciso renovar o site da sua empresa

Ter um site profissional é uma forma eficiente de ganhar credibilidade e aumentar sua presença online. Para um negócio baseado na internet, esses dois fatores são altamente estratégicos e oferecem vantagem competitiva.

Continue lendo “3 sinais de que o seu site profissional precisa ser renovado”

Tudo o que você precisa saber sobre plataformas de e-commerce está aqui

Tudo o que você precisa saber sobre plataformas de e-commerce está aqui

Plataformas de e-commerce, tudo o que você precisa saber está aqui!
Plataformas de e-commerce, tudo o que você precisa saber está aqui!

Plataformas de e-commerce, o guia definitivo!

Plataformas de e-commerce. Parece história de sucesso dos filmes, mas, na verdade, é comum ver negócios online que começam as vendas informalmente. Com o tempo, aumentam tanto suas transações que seus gestores precisam tomar uma importante decisão. Investir ou não em plataformas de e-commerce para profissionalizar o ambiente de compra?!

Abrir uma loja virtual exige conhecimento, mas, principalmente, planejamento. Ao escolher uma plataforma, por exemplo, é preciso considerar qual cenário de sucesso está sendo planejado. Para o médio e longo prazo e quanto o investimento em tal solução impactará nos resultados do negócio.

Mas, uma coisa é certa: é preciso dar mais estrutura tecnológica ao negócio para que seja possível responder a novas demandas. Desta forma, crescer exponencialmente, automatizar alguns processos e passar credibilidade para o consumidor ao mesmo tempo.

Promover essas melhorias no seu negócio está em seus planos? Pois todas elas deveriam ser prioridades.

Para ajudar nesse planejamento, reunimos neste conteúdo todas as informações que devem ser consideradas em suas escolhas. Além de conceitos básicos que podem ser determinantes para a análise das opções e a negociação final. Acompanhe!

Leia também: O que fazem as empresas de desenvolvimento de lojas virtuais?

Continue lendo “Tudo o que você precisa saber sobre plataformas de e-commerce está aqui”

Social selling: 5 dicas para vender nas redes sociais

Social selling - Dicas para vender nas redes sociais
Social selling – Dicas para vender nas redes sociais

Dicas para vender nas redes sociais

Bons vendedores sempre usaram o relacionamento para gerar negócios. Até mesmo aqueles que iam de porta em porta vender panelas iniciavam uma longa conversa antes de fazer a oferta. Muitas inovações depois, essa estratégia ainda é um sucesso. Mas, para quem quer dominar o social selling nos dias de hoje, um mergulho nas dicas para vender nas redes sociais é essencial.

Então, vamos chamar o Sr. Pedro, vendedor de panelas em 1993, para fazer social selling, afinal de contas, as portas do comércio eletrônico estão abertas para todos, não precisa pedir para entrar, mas é essencial saber atrair e converter leads nesse novo terreno.

Como todo bom vendedor e dono de seu próprio negócio, ele logo entenderá que o social selling é uma estratégia para encontrar, conectar e gerar negócios pelas redes sociais muito eficiente, afinal de contas:

  • permite que ele interaja e dê atenção a diversos potenciais clientes;
  • pode ser considerada uma estratégia de baixo custo, ou, em alguns casos, livre de investimentos;
  • conecta seu negócio a milhares de interessados, permitindo segmentar o público; e
  • é o futuro, Sr. Pedro!

Garantir que suas ações de vendas sejam escaladas e sem um aumento do investimento para tal é uma razão bem convincente, mas não só para o Sr. Pedro, e para você, gestor. Muitas empresas também curtiram esses benefícios e estão apostando forte no social selling.

Então, o que fazer? Diferenciar-se de todos eles com as dicas para vender nas redes sociais que separamos para seu e-commerce. Confira!

1. Estabeleça uma marca pessoal

Quando Sr. Pedro ia visitar seus potenciais clientes, usava um carro todo adesivado com a marca das panelas que vendia, mas nada chamativo, e sim com informações e imagens que davam credibilidade e até um ar de elegância para seus produtos. Ele usava roupas modernas e sempre dava dicas de alta gastronomia. Muitos acreditavam que ele era um chef de cozinha internacional.

Essa era a marca pessoal do Sr. Pedro em suas vendas diretas, e ela é igualmente importante nas redes sociais. Mas atenção, a identidade visual — ou seja, os adesivos, logo ou foto do perfil no Instagram, por exemplo — representa apenas uma pequena parte dessa estratégia.

O que essas imagens dizem e a conclusão que potenciais clientes tiram quando interagem com a marca ou leem a respeito dela são os elementos importantes. Ou seja, é a credibilidade e a elegância que o veículo do Sr. Pedro transmitia, ou sua imagem de autoridade da cozinha, quando dava dicas gastronômicas.

Para estabelecer sua marca pessoal, pense em respostas para perguntas, como:

  • Que percepções e sensações seu e-commerce gera?
  • Como os clientes descrevem seu negócio?
  • Quais são os valores intangíveis dos seus produtos?

2. Gere leads e faça um fluxo para sua nutrição

Essa o Sr. Pedro também fazia, ele visitava algumas dezenas de casas, anotava contatos, passava receitas e jogava conversa fora. Dava opiniões para seus potenciais clientes no dia da feira do bairro.

Transplantando essa dinâmica para o ambiente virtual, tudo isso é perfeitamente possível. Ao publicar um vídeo de receitas no Facebook, por exemplo, o Sr. Pedro pode atrair novos interessados, interagir nos comentários, oferecer uma newsletter ou livro de receitas para captar os e-mails de seus seguidores e, ainda, participar de fóruns de pessoas com interesse em gastronomia e itens de cozinha.

Essas interações contextualizadas, que têm a ver com o produto do Sr. Pedro, são uma forma de nutrir relacionamentos, e, ao mesmo tempo, convencer gradativamente que os leads precisam de panelas antiaderentes, vermelhas ou de determinada marca. Ou seja, esse fluxo garante que os contatos realizados conduzam as ações para a conversão da venda.

3. Tenha engajamento positivo para seu social selling

Quanto melhores e mais criativas forem essas interações no fluxo de nutrição e geração de leads, maior será o engajamento, ou volume de respostas dos leads. Na verdade, a gestão do social selling, por si só, é um ponto considerado um diferencial do negócio, pois, de forma resumida, representa o modo como o e-commerce valoriza o relacionamento com seus clientes.

Se o Sr. Pedro vende um conjunto de panelas e elas são extraviadas. O cliente pode usar as redes sociais para fazer uma reclamação e criticar seu e-commerce.

A rápida identificação e atuação na resolução da situação, no entanto, pode ser transformada em um trunfo. Com isso, o Sr. Pedro mostrará que tem uma boa infraestrutura comercial, inclusive para contornar problemas, além, é claro, de demonstrar como a satisfação de seus clientes está sempre em suas prioridades.

Ou seja, é possível explorar qualquer situação, data ou ocorrência para criar interações nas redes sociais que engajam. Uma ótima dica para isso, aliás, é conhecer exatamente quem é a sua buyer persona, ou representação do comprador ideal.

Isso permitirá que as postagens e o envio de ofertas de produtos sejam ainda mais personalizados.

4. Entregue valor nas interações

Cada rede social tem um apelo maior, seja visual, seja para textos. Para entregar valor, o Sr. Pedro precisa, primeiramente, saber em quais redes sociais seus potenciais clientes estão. Quem compra panelas tem gosto ou necessidade de cozinhar, certo? Continue lendo “Social selling: 5 dicas para vender nas redes sociais”

6 lições para aprender com os maiores e-commerces do Brasil

maiores e-commerces do brasil
Maiores e-commerces do brasil

Maiores e-commerces do brasil, como se tornar um gigante nos tempos atuais

Maiores e-commerces do brasil. O e-commerce é uma modalidade de comércio virtual já familiar para grande parte dos consumidores. Fato que confirma por que ele vem crescendo cada vez mais no Brasil e mundialmente.

E quais seriam os demais motivos que levaram empreendedores e grandes empresas a apostarem no mundo virtual? Maior facilidade de gestão, redução de custos, melhor margem de lucro, flexibilidade para as estratégias comerciais, novas tecnologias e proximidade com os clientes são alguns deles.

Porém, até descobrirem tais vantagens e os demais potenciais desse mercado, muitos e-commerces precisaram aprender duras lições de administração para, só depois, prosperarem. E sabe o que é o melhor dessa história? Seu negócio não precisa viver os mesmos desafios para ter sucesso, basta aprender com as decisões que eles tomaram.

Quer saber o que os maiores e-commerces do Brasil aprenderam em suas jornadas de sucesso? Fizemos uma lista imperdível. Confira!

Maiores e-commerces do Brasil

Entre os maiores e-commerces, não podemos deixar de comentar sobre o trio: B2W, Americanas, Submarino e Shoptime. Este que é um dos mais conhecidos. Além da estratégia de incorporar outros comércios virtuais, a internacionalização de suas vendas também foi outra ação que rendeu resultados.

Também no topo está a Magazine Luiza, que se destacou pelo investimento no atendimento inovador de qualidade da robô Luiza. Já no Privalia, com foco na venda por tempo determinado de marcas exclusivas, o grande diferencial foi o forte apelo para o design de seu ambiente virtual de compras e estratégias que privilegiavam a experiência de uso por smartphones.

Fecham essa lista, ainda, outros gigantes, como o Netshoes, que, hoje, tem um portfólio de produtos imenso. O Grupo Herval, a Dell Computadores, a Máquina de Vendas e outros mais.

Cada um prosperou de forma diferente. Mas todos tiveram, em seus crescimentos, a oportunidade de experimentar estratégias em um mercado, até então, quase inexplorado. Na atualidade, os empreendedores que estão de olho no e-commerce podem aprender com as dicas desses grandes negócios.

Dicas e cases de sucesso no comércio digital

Muitos empresários que estão planejando seus e-commerces ou que já têm uma clientela em crescimento sonham com negócios milionários. Mas, para chegar até lá, é preciso ter muito esforço e fazer decisões acertadas. Aí vão algumas dicas de quem já testou e aprovou algumas estratégias de sucesso.

1. Ofereça atendimento ágil

A dúvida de um cliente pode ser a única coisa que o separa da efetivação da compra. Assim sendo, se ele não for respondido a tempo, a consequência mais provável é que o e-commerce perca a chance de fidelizá-lo.

Essa consequência desastrosa não aconteceria apenas porque o cliente não sanou sua dúvida. Mas também, porque teria sido conduzido para um atendimento ruim, ou, até mesmo, inexistente.

O atendimento ágil é essencial para o sucesso do e-commerce. Por isso, considere criar uma área para perguntas frequentes, oferecer um chat online ou ter um telefone de contato ativo. E crie internamente metas que assegurem tempo máximo de resposta e nível de satisfação dos clientes, por exemplo.

2. Invista em uma boa logística

Um dos grandes diferenciais que um e-commerce pode oferecer é um sistema logístico com qualidade superior aos seus concorrentes. Esse é um ponto sensível para a compra dos clientes, ser o melhor é uma das garantias mais certas para sua fidelização.

A boa logística deve começar na consulta do estoque dos itens. Logo depois, no seu bloqueio no caso de compra e, invariavelmente, na escolha de transportadores confiáveis para finalizar o processo com sucesso.

Dar opções do nível de serviço e tempo de entrega para o cliente também pode ser um bom negócio. Assim, ficará a critério dele escolher entre pagar um envio mais caro ou receber em um tempo maior.

3. Conheça detalhes sobre seu cliente

Gigante com valor de marca de aproximadamente US$ 637 milhões, a Netshoes está sempre atenta às necessidades e interesses de seus diferentes públicos. Talvez o mais antigo deles, composto pelos amantes de esportes, por exemplo, seja atraído por campanhas e produtos que remetem a diferentes atividades físicas.

Com o slogan “Netshoes. Conecta você ao esporte”, já patrocinou times de futebol e, mais recentemente, equipes de jogos eletrônicos. É uma comunicação direta com seu público e uma forma eficiente de personalizar o atendimento e o mix de produtos.

4. Tenha um portfólio de produtos abrangente

Ao mencionar o mix de produtos, não dá para deixar de falar sobre a importância de um portfólio de produtos abrangente. Claro que é preciso respeitar o nicho de mercado e ter um item de venda principal. Mas aumentar o leque de opções de compra é essencial para o sucesso de um e-commerce.

Os maiores e-commerces do brasil especializados em goiaba podem oferecer goiabada, ketchup à base de goiaba, geleia da fruta com diferentes combinações, chutneys, bolos, kits para datas especiais e até vestuários com o tema, por exemplo. E engana-se quem pensa que criar uma variação de produtos, nesse caso, é um grande desafio.

Para aqueles que não têm um produto carro-chefe, a diversificação é ainda mais importante e complexa, afinal de contas, sua oferta de itens é comparada à de outros e-commerces.

5. Ofereça a opção de retirada na loja

Outra tendência que já foi identificada pelos grandes e-commerces é que a comodidade de comprar de onde estiver é muito boa, mas pode ser prejudicada pelo fato de não ter o produto imediatamente depois.

Por isso, oferecer ao cliente a opção de retirar na loja é uma forma de colocar a decisão nas mãos dele, literalmente. Ele pode usufruir da experiência de compra online, das condições de pagamento e demais características, mas retirar seu produto na loja para obtê-lo mais rapidamente.

6. Considere a experiência de uso do e-commerce

Um layout agradável e intuitivo, fotos de qualidade dos produtos, segurança para as transações de cartões de crédito e outros elementos da experiência de uso do e-commerce podem ser ainda melhores.

É possível inserir pequenos vídeos para descrição dos produtos, designs personalizados de acordo com o nicho de atuação e conteúdos otimizados para atrair e fazer com que mais vendas sejam convertidas. Técnicas de marketing de conteúdo e gestão de mídias sociais são algumas dessas soluções que jornalistas e publicitários especializados no ambiente digital podem atribuir aos projetos.

Essas lições ajudaram no crescimento dos maiores e-commerces do Brasil, suprindo as demandas dos compradores, equiparando e, algumas vezes, superando os benefícios oferecidos no comércio tradicional. A experiência de consumo online tornou-se única e relevante, porém, certamente, esses não foram os únicos fatores para o sucesso. Além das estratégias pontuais de cada e-commerce, a mudança de comportamento dos consumidores mostra que a sociedade, de forma geral, está cada vez mais propensa a concentrar suas compras no ambiente virtual.

Quer conhecer outros dados que atestam essa realidade? Confira aqui 12 fatos que mostram como o e-commerce está em franco crescimento no Brasil.



O maior evento 100% online de e-commerce e marketplace do Brasil.

Olá! Como vai?

O Marketplace Summit e Seri.e Design convidam você para, o maior evento 100% online de e-commerce e marketplace do Brasil.

Nele, os principais especialistas do mercado vão revelar estratégias para você ter sucesso no seu negócio.


Clique aqui para reservar seu ingresso grátis!

Mais de 10 mil participantes irão acompanhar 35 palestras
exclusivas sobre vendas, marketing, retenção de clientes e atendimento. Não perca!

Resgatar ingresso gratuitamente


Um abraço,

 

Guia completo: como empregar a psicologia das cores no design da loja virtual?

Psicologia das cores se bem empregado no design da sua loja virtual pode melhorar a aceitação do público e aumentar o número de conversões

Psicologia das cores
Psicologia das cores

Psicologia das cores. A arte da persuasão é o que está por trás do ato de vender um produto ou serviço, seja online ou offline. Embora existam milhares de fatores que influenciam como e o que é comprado, boa parte do processo de decisão é impactado pelo apelo visual do produto e do ambiente em que a oferta é feita. Um dos elementos mais fortes e importantes nesse contexto é o uso das cores.

Ao divulgar e tentar comercializar novos produtos ou serviços, é preciso ter a clareza de que consumidores priorizam a aparência estética (principalmente a cor) em detrimento de outros aspectos como som, textura e odor.

Um estudo feito pela Kissmetrics apontou que 85% dos consumidores consideram as cores do produto ou do ambiente em que o produto está sendo vendido como uma das razões principais pela decisão de compra.

Empregar a psicologia das cores é, nesse contexto, o estudo que busca entender como as cores influenciam o processo de tomada de decisão dos consumidores. A partir do domínio da correlação entre cores e compra, é possível tomar ações concretas para instigar e potencializar o desejo do consumidor.

Quer entender como aplicar o conceito no design da sua loja virtual? Confira os tópicos a seguir! Continue lendo “Guia completo: como empregar a psicologia das cores no design da loja virtual?”