Design

E-commerce: Otimizando design, layout e conteúdo para ser encontrado e vender mais

Para que uma loja virtual (e-commerce) tenha um retorno de vendas garantido é obrigatório que a estrutura ou layout do e-commerce siga algumas dicas e técnicas indispensáveis para a otimização a nível OnPage do comércio eletrônico.

Modelo de layout com SEO OnPage para loja virtual e-commerce

Na imagem acima podemos analisar cada elemento que uma página de venda do seu produto deve ter, veja:

Opinião dos clientes

Se você possui uma loja virtual, mas não tem um modelo que recolhe a opinião dos clientes, com certeza você está um passo atrás de sua concorrência. São através destas revisões, positivas ou negativas, que você conseguirá projetar um futuro melhor para que o seu produto venda mais.

Vídeos dos produtos

Atualmente os compradores online estão ainda mais exigentes. Então, para ajudar no aumento das conversões, recomenda-se exibir, além de imagens e fotos, vídeos descritivos dos produtos para que o futuro comprador tenha mais uma opção de análise antes de finalizar a compra.

Perguntas e respostas

Outra dica importante para implementação na página interna do seu produto é a inclusão de uma área que contém as perguntas e as respostas mais frequentes. Desta forma o visitante, e possível comprador, poderá tirar as principais dúvidas antes de realizar a compra do produto que está à venda em sua loja virtual.

Botões de redes sociais

Adicione botões de redes sociais como Facebook, Twitter, Google+ e Pinterest e incentive seus clientes e visitantes a compartilharem os produtos à venda para seus amigos e colegas. Preste atenção na localização estratégica desses botões, de forma que o compartilhamento seja fácil e intuitivo.

Aproveite para criar uma Fan Page no Facebook para divulgar, ainda mais, os seus produtos.

Opções de busca

Geralmente, os visitantes usam a busca do seu e-commerce somente uma vez, a partir daí ele começa a navegar internamente em sua loja através do resultado da sua busca e também através dos produtos relacionados e/ou recomendados pelo seu sistema de comércio eletrônico.

Por isso, recomenda-se analisar, via Google Analytics, como é feita esta busca e quais são as principais palavras chave buscadas. A partir daí é possível sugerir novas opções de produtos de acordo com o perfil de busca do seu visitante e, consequentemente, aumentar sua conversão.

Botão de comprar (call to action) com destaque extra

O elemento mais importante de uma loja virtual ou e-commerce é o botão de comprar. Do que adianta sua loja estar toda otimizada se o seu botão de comprar está “escondido“?

Lembre-se: o botão de comprar é a porta para a sua conversão, então, coloque-o em local estratégico e visível, de forma que o futuro comprador do seu produto saiba onde encontrá-lo.

Nestes casos é permitido incentivar o clique, inclusive, quando o produto estiver com desconto, coloque o preço antigo e o preço atual bem próximo deste botão.

Selos e certificados de segurança são obrigatórios

Segurança é essencial para o sucesso de uma loja virtual. Ninguém quer usar o cartão de crédito em uma loja virtual ou comércio eletrônico que não oferece o mínimo de segurança necessária para o comprador.

Mostre para o visitante que sua loja é segura e que todas as transações realizadas com cartão de crédito possuem certificados de segurança garantidos pela empresa.

Breadcrumbs

O nome significa “migalha de pão” que é uma referência ao conto de fadas João e Maria. Os breadcrumb reduzem o número de ações que um visitante precisa tomar para chegar a uma página de nível superior e melhora o nível de encontrabilidade de seções e páginas.

Assim como em todos os sites e blogs, os breadcrumbs são essenciais para a localização do produto de sua loja virtual e também para o SEO OnPage. Então, se seu e-commerce ainda não possui este item, coloque-o o mais rápido possível na parte superior do seu layout, de forma que o visitante e os mecanismos de busca consigam localizá-lo facilmente.

Imagens e fotos dos produtos

Assim como os vídeos, exibir para o visitante várias imagens do produto aumenta consideravelmente suas chances de finalizar a compra e, consequentemente, aumentar sua conversão.

Mas antes de começar a inserir imagens e fotos, faça uma seleção das melhores imagens em vários ângulos e adicione nomes descritivos nelas para ajudar na indexação, como nome-produto.jpg. E atenção: quanto mais informação visual o visitante tiver, melhor será o retorno para você.

Títulos otimizados (META Title)

O título da página (title) do seu produto deve ter:

No máximo 70 caracteres.
Principais palavras chave inclusas.
Call to action para incentivar a compra.

Descrição do produto (META Description)

Assim como o título, é recomendável criar uma descrição otimizada com até 160 caracteres contendo sempre as principais palavras chave referentes ao produto que está à venda.

URL da página (Page URL)

Use sempre URL’s amigáveis para seus produtos. Este é uma dica básica de SEO OnPage.

Tag H1 para o título

Seguindo a regra do item 10, é altamente recomendado o uso da tag h1 para exibir o título do seu produto, da mesma forma que ele aparece em META Title.

Número do telefone para compras e atendimento

Agora que você já sabe que segurança é um item essencial e indispensável para seu comércio eletrônico, vai querer passar ainda mais confiança para seus clientes exibindo o número de telefone para compras e atendimento. Isso, com certeza, traz para o futuro comprador uma possibilidade a mais de verificar a autenticidade da loja virtual.

Detalhes da empresa

Por fim, utilize o rodapé da sua loja virtual para divulgar a marca da sua empresa, assim como endereço para contato, telefone, etc.

Acesse mais matérias e informações como essa em nossa seção “E-commerce”.

Curtir:

FacebookmailFacebookmail

Compartilhar:

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmailFacebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmail

Layout pronto para e-commerce, é um bom negócio?

O e-commerce é um negócio e como todo negócio requer investimento, dedicação, planejamento e atuação de profissionais experientes no assunto. É de conhecimento de todo varejista, que não adianta simplesmente ter uma loja física com apenas uma fachada bonita, e é assim também no e-commerce, não adianta comprar um layout (tema) pronto e esperar que a loja vá estourar de vender.

Existem vários fatores tão importantes quanto se ter uma url e um layout! O desenvolvimento da identidade visual da sua empresa, deve ser composta por um estudo, desde a história da marca, segmento de atuação, até o perfil de clientes consumidores, compondo nome/marca e logotipo.

Devido ao momento do cenário que estamos vivendo na economia, é claro a identificação no aumento de novas lojas online, como CEO de agência especializada em e-commerce, é ótimo ver esse interesse e o aquecimento do segmento, por outro lado, é nítido que a maioria são aventureiros e sem preparo e certamente teremos um churn acelerado.

Se planejamento é fundamental para o sucesso de qualquer negócio, planejar o investimento do desenvolvimento de layout personalizado é obrigatório, com aplicação de boas práticas, estrutura SEO correta, boa usabilidade entre outros elementos que vão além do aspecto visual, assim como ter uma boa agência para performar sua marca e produtos no Google e redes sociais.

Se layout pronto fosse o caminho do sucesso, teríamos os grandes cases do mercado usando o mesmo layout, ou até mesmo sendo usado o layout deles em sua loja. Não se iluda e não rasgue seu dinheiro com layouts prontos!

Curtir:

FacebookmailFacebookmail

Compartilhar:

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmailFacebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmail

De parceiras à irmãs, Yooper adquire SERI.E Design mirando expansão de sua operação

CEO SERI.E DESIGN

Em um movimento ousado e assertivo, Yooper adquire SERI.E DESIGN para expandir sua operação no mercado de marketing digital.

A Yooper anunciou na segunda-feira (13) a aquisição da SERI.E DESIGN, agência especializada em desenvolvimento e implantação de e-commerces. Representada pela entrada de Leandro Gorzoni, CEO e proprietário da Yooper, no quadro de sócios da SERI.E DESIGN, a sociedade firmada no dia 27 de dezembro passa a ser válida em 2020.

Leandro, agora CEO das duas agências, explicou o que o levou a comprar ações da SERI.E DESIGN: “A Yooper sempre sentiu necessidade de ter parceiros próximos para dar vazão às melhorias e customizações em plataformas como Fbits, Tray Varejo, Nuvem e sites institucionais, então vimos na aquisição da SERI.E DESIGN não só um potencial parceiro para crescermos e melhorarmos a qualidade dos nossos serviços, mas também uma oportunidade de levar nossa expertise avançada em Marketing para essas plataformas e, porque não, aumentar nosso market share”

Yooper e SERI.E DESIGN: quem são as agências?

Nascida em 2006 com a missão de oferecer estratégias criativas e soluções inteligentes para clientes que desejam desenvolver e implantar e-commerces de diversos setores, a SERI.E DESIGN tem como objetivo superar as expectativas dos clientes mais exigentes, desde o atendimento até a finalização do projeto. Até 2019, a SERI.E DESIGN desenvolveu mais de 2.700 projetos tendo como últimos cases: Unimed, i2GO, CVC Corp, Kikos Fitness, Long Island, Ferrari Net.

A compradora, Yooper, surgiu em 2011 com o nome de Compre Clicks e passou pela mudança de nome e de mindset em 2018. Focada em marketing digital, a agência oferece serviços de Inbound Marketing, Mídia, SEO, Redes Sociais, Email Marketing, Conteúdo e Influenciadores, com um histórico de participação em quase 500 projetos e atendimento de clientes como Embelleze, Lupo, Baw, Nutty Bavarian, Boa Vista, Clóvis, Farmácia Indiana, Moda Love e muitos outros.

De parceiras a irmãs: conhecendo o histórico da parceria
Sediadas na capital paulista, SERI.E DESIGN e a Yooper iniciaram uma parceria em meados de 2019. Segundo o novo CEO, “Em um período bem curto, as equipes demonstraram uma forte sinergia, refletindo diretamente nos clientes atendidos pelas duas empresas e resultando em elogios e indicações.” Com a chegada desses novos clientes, a SERI.E DESIGN identificou a necessidade em ter alguém com perfil mais estratégico e know-how diferenciado na equipe.

Do outro lado da transação, Leandro explica que, ao longo de toda a parceria, as motivações para a compra foram se consolidando naturalmente: “A qualidade dos trabalhos da SERI.E DESIGN e as vantagens de negócio apresentadas, bem como uma sinergia de negócios e valores, fizeram com que o time da Yooper olhasse de maneira diferenciada para essa oportunidade”.

O potencial para crescimento estava latente: uma proposta de sociedade e aporte foi feita por Gorzoni e aceita pelos sócios da SERI.E DESIGN (Rafael Grassmann, Rodrigo Augusto e Silvia Alessio). A entrada do novo sócio, somada ao aumento do investimento, amadurecimento de processos e união de know-hows são vistas por todos os envolvidos como pilares essenciais para o crescimento e expansão da SERI.E DESIGN, e são uma jogada importante para consolidá-la definitivamente como uma das principais agências especialistas em e-commerce e desenvolvimento do mercado.

Rodrigo Augusto, sócio da agência de desenvolvimento, se pronunciou: “Nossos clientes e colaboradores vão ganhar muito com a entrada do Leandro no quadro societário da SERI.E DESIGN. Ele é um cara extremamente estratégico, com grande conhecimento e expertise no segmento de e-commerce, comprovados pela evolução da agência Yooper, da qual é fundador. A partir de 2020 teremos duas empresas “irmãs”, a SERI.E DESIGN + Yooper, com serviços distintos que se complementam, já que não existe um case de sucesso sem um excelente desenvolvimento de layout e uma excelente gestão de performance, assim, concluindo minha afirmação, os nossos clientes serão os maiores beneficiários dessa aquisição, recebendo um serviço 360º de extrema qualidade”.

Curtir:

FacebookmailFacebookmail

Compartilhar:

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmailFacebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmail

Consumidor paga até 1/3 a mais por experiência de compra positiva, aponta pesquisa

Uma pesquisa da PWC Brasil — feita com 21 mil compradores online e apresentada em primeira mão — revelou que o consumidor brasileiro está disposto a pagar até 1/3 a mais por uma boa experiência de compra.

O estudo aponta que além das métricas de retorno sobre o investimento (ROI), a organização precisa estar ciente de como se apresenta a experiência de compra do seu consumidor (métrica de ROX, ou Return on experience).

Quem explicou sobre essa tendência foi Ricardo Neves, sócio da pesquisadora. No palco do Fórum Digitalks 2019, ele afirmou que não adianta mais oferecer um site de ponta, se a experiência de compra for mediana. “Dos 27 países pesquisados, descobrimos que o Brasil tem o consumidor que mais valoriza a experiência de compra no mundo. E ele quer essa excelência em todos os pontos de contato da relação, inclusive no mundo físico”.

Essa informação é de extrema importância, dado o levantamento de que 94% dos consumidores de todas as classes já compraram no online. “Praticamente toda a classe C utiliza aplicativos para transações bancárias. O consumo online por celular subiu para a metade da população brasileira. Para ter uma ideia, 1/4 das vendas de calçados no país já é feita no online. Isso só reforça que o lojista deve investir na experiência de compra”, afirmou Ricardo.

Estudo aponta que metade dos brasileiros realizam suas compras por smartphone ao menos uma vez por mês.

A tecnologia na experiência de compra

De acordo com a pesquisa, o brasileiro é favorável à adoção de tecnologias. 80% da população brasileira — reunindo todas as classes sociais — gosta de cuidar da saúde e já utiliza até 3 aplicativos para isso. Além disso, 52% obtêm informações por canais não tradicionais de mídia (blogs, sites, aplicativos, jornais digitais…). No restante do mundo, segundo o levantamento, 32% ainda optam pelas mídias tradicionais, como os jornais New York Times, Financial Times e CNN, por exemplo.

Outro dado interessante: 76% dos consumidores fazem streaming de filmes e programas de TV duas vezes por semana ou mais. E os millenials lideram essa tendência: mais de 57% dizem assistir filmes ou vídeos dessa forma ao menos uma vez por dia.

Experiência de compras sem atrito

Tanto no ambiente físico como online, a jornada de compras deve ter o mínimo de atrito possível. Para isso, o estudo aponta alguns dados a serem observados:

Métodos mais fáceis e rápidos de pagamento se tornaram o principal atributo de melhoria da experiência de compra na loja física para 58% dos entrevistados no Brasil;
41% desejam tecnologias auxiliares enquanto percorre a loja de maneira rápida e conveniente;
44% têm o interesse em pagar pelas suas compras dentro da loja via app;
39% dos que compram em marketplaces acabam comprando com maior frequência.

Amazon

Apesar de ainda não chegar no mesmo patamar de outros países, como EUA e Japão, a Amazon cresce de forma contundente no Brasil — 57% dos consumidores disseram ter feito uma comprar na empresa, ante os 47% apresentados recentemente. “Amazon deve estar na pauta de discussão dos lojistas, pois acreditamos que ela promete muito no mercado nacional”, disse Ricardo.

Como medir o retorno sobre a experiência de compra?

Segundo Ricardo, há algumas questões importantes a serem colocadas em prática nas organizações para começar a entender como medir o retorno sobre a experiência de compras. São elas:

  • Quanto os seus colaboradores estão emocionalmente envolvidos com o propósito da sua marca?
  • Identifique quais comportamentos essenciais geram impacto no resultado. A instalação de um sistema transacional talvez não gere um retorno de experiência, mas sim de investimento.
  • Quais investimentos você está fazendo para envolver os seus colaboradores como embaixadores da sua marca?
  • Até que ponto você está gerando valor aos olhos dos seus clientes, internos e externos? Projetos de investimento, atividades aos funcionários…Como está medindo os resultados financeiros? Se investiu em experiência, quanto aumentou as vendas em cima dessa questão?

Para aumentar a experiência e o retorno, portanto, deve ser mudado o comportamento do consumidor. Ou seja, deve ser criado novos canais, estar com o consumidor quando ele precisar, fazer algo a mais para gerar uma situação positiva.

Ações concretas nas organizações

A organização que busca melhorar o retorno sobre a experiência de compra sem considerar a experiência dos colaboradores perderá uma parte fundamental do investimento. Isso porque gera informações valiosas sobre o que satisfaz o empregado e, consequentemente, o cliente.

  • Entenda o consumidor – isso deve ocorrer com base no comportamento deles, e não do seu. É preciso entender as necessidades de fora pra dentro.
  • Comunidades com propósito – é preciso haver um objetivo na comunidade, com interação. Encontre formas de engajar seu negócio com o público interno e externo, especialmente quando se fala de dispositivos móveis e redes sociais.
  • Propicie momentos mágicos – dê um verdadeiro diferencial que o cliente não espera. Todos estão fazendo o mesmo, e você deve gerar uma boa experiência. E o mesmo vale para o seu colaborador. Se ele não falar bem da sua empresa/marca, quem falará? Pense em seu empregado como se ele fosse o seu consumidor.
  • Experiência digital – aumente a segurança, pois do contrário tudo será perdido. Consumidores buscam outras opções ao perceberem que a empresa não é capaz de proteger suas informações privadas. O mesmo vale sobre o valor gerado a partir dessa troca de informações — deve ser positivo.
  • Foco na jornada – todos buscam uma diferenciação. É preciso, portanto, estar atento e criar incentivos dentro da organização para refletir no resultado da empresa. Compreender qual o tipo de experiência do cliente física ou digitalmente se faz necessário. Oferecer qualidade de sortimento e preço, recomendações, exclusividades… Vale inclusive conectar pesquisas online com visitas presenciais para gerar o melhor relacionamento empresa/consumidor.

Para acessar o estudo na íntegra, clique aqui.

Por Giuliano Gonçalves, via redação do E-Commerce Brasil.

Curtir:

FacebookmailFacebookmail

Compartilhar:

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmailFacebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmail

7 habilidades de marketing digital para impulsionar as vendas da sua loja virtual

Os e-commerces são a nova tendência do empreendedor brasileiro. Eles possibilitam que qualquer pessoa tenha uma pequena empresa vendendo produtos online. Porém, é necessário pesquisar sempre sobre novas estratégias de marketing digital para não estagnar os negócios e perder clientes.

 

Por isso, confira no artigo de hoje 7 habilidades de marketing digital para impulsionar as vendas da sua loja virtual!

Análise de dados e testes

O primeiro passo para tomar decisões mais assertivas na sua loja virtual é analisar os dados do seu site.

Se você observa, por exemplo, que a maior parte de seus visitantes vêm de um canal de mídia específico (como Facebook), você poderá investir mais nesse canal.

Além disso, a partir dos dados você pode usar plataformas como o Optimizely para fazer testes em suas páginas, a fim de entender qual design ou copy converte mais, por exemplo, sem correr o risco de fazer uma mudança repentina.

UX Design

Durante a criação do seu site, o design de cada página precisa ser elaborado para aumentar suas conversões.

Por isso, a maior tendência do marketing digital é o UX Design, focado na experiência do usuário.

Integrando um sistema de feedback às suas páginas, como o Hotjar, você pode detectar os pontos fortes da sua página e onde é necessário fazer mudanças.

Nisso é importante incluir também a experiência no mobile e a criação de sites responsivos, pois atualmente o Brasil é o 5º país líder em uso de smartphones.

SEO

A otimização para os mecanismos de busca, conhecida como SEO, é fundamental para aumentar suas vendas de forma orgânica.

O objetivo do SEO é facilitar o rastreamento dos mecanismos de busca para encontrar o seu conteúdo.

A partir dele você pode aumentar seu tráfego orgânico, ou seja, sem pagar por anúncios, apenas investindo em otimizações a longo prazo.

HTML + CSS + JavaScript

Se engana quem pensa que para ter uma loja virtual basta divulgar os produtos para vendê-los.

Saber pelo menos o básico de programação é, atualmente, uma enorme vantagem competitiva para os donos de e-commerce.

Afinal, até mesmo em estratégias de SEO é necessário ter conhecimento do código das suas páginas para entender como cada função afeta a performance do site.

Para isso, aprenda o básico de:

  • HTML: É a linguagem básica do seu website, a estrutura dele;
  • CSS: Linguagem usada para definir a formatação visual do conteúdo HTML, a aparência;
  • JavaScript: Linguagem usada para gerar interatividade nos sites.

E-mail marketing

O e-mail marketing é um canal excelente para gerar conexão com o usuário, nutrir leads e aumentar suas conversões.

Sua principal vantagem é que o usuário decidiu se cadastrar na sua newsletter, ou seja, ele não se sente invadido, pelo contrário, decidiu receber seus e-mails por vontade própria.

Através do e-mail é possível quebrar objeções dos clientes, evitar o abandono de carrinho, fazer upselling e cross-selling.

Automação de marketing

Nem sempre será possível gerenciar todas as suas redes sociais manualmente. Para isso, invista na automação de marketing.

A automação de marketing é a estratégia de usar softwares de marketing para agir em escala e automaticamente.

Com esses softwares é possível identificar, monitorar e responder suas personas de forma personalizada.

Esses programas reduzem o trabalho manual da sua equipe de marketing e aumentam a eficiência do time, que passa a focar em tarefas mais relevantes.

Marketing de Conteúdo

Você sabia que um novo cliente pode custar até 7 vezes mais caro do que manter um cliente atual?

Por isso, investir em marketing de conteúdo é a chave para nutrir sua base de clientes e gerar valor para eles, mantendo seu público sempre interessado nos seus conteúdos.

Seja criando um blog, um canal no YouTube ou uma newsletter, o investimento em marketing de conteúdo não é tão alto e vai te gerar mais vendas e satisfação dos clientes.

Gostou das nossas dicas de 7 habilidades de marketing digital para impulsionar as vendas da sua loja virtual? Entre em contato

Curtir:

FacebookmailFacebookmail

Compartilhar:

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmailFacebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmail

Pessoas compram experiências, não produtos”, diz CEO da Adobe

“Você se lembra das suas últimas férias?”, pergunta Shantanu Narayen, CEO da Adobe a um auditório com 12 mil pessoas. Analistas, profissionais de marketing e funcionários de empresas parceiras estão lá para saber o que a empresa prepara para o futuro. E ainda assim, o presidente da companhia quer falar sobre sua última viagem (que, por sinal, foi a Nova York, com sua esposa, para encontrar o filho que mora lá). Mais do que nunca, explica ele, é importante falar sobre experiências. A viagem durou 48 horas e foi planejada com pouquíssima antecedência – o que só foi possível por causa de várias plataformas online para comprar entradas para um musical, reservar o quarto de hotel, comprar a passagem aérea – mas apesar do pouco tempo lá, a experiência foi marcante, diz.

“Quando você lembra das experiências mais importantes da sua vida, pode não se lembrar dos detalhes, mas é a experiência geral que fica”, afirma Narayen. E apesar de o resultado final – a plataforma para reservar o hotel – parecer simples, há muito trabalho por trás disso. “Antes, os produtos eram a base da diferenciação, mas não mais. E para cada experiência positiva criada, houveram várias experiências ruins, que podem danificar o seu negócio”.

Durante a abertura do Adobe Summit 2018, em Las Vegas, ele afirmou que todos os negócios hoje precisam ter como base criar experiências para os usuários. E defende que todas as companhias podem fazer isso, inclusive aquelas que fornecem produtos e soluções para outras empresas (B2B). Afinal, diz ele, a expectativa das pessoas não muda quando vão para o escritório.

Brad Rencher, vice-presidente executivo da Adobe, ressaltou a importância de melhorar cada vez mais a experiência dos usuários. Recentemente, contou, ele começou a receber mensagens da companhia aérea Delta assim que a sua mala é colocada no avião – e quem já teve uma mala perdida sabe o valor dessa simples mensagem. “Parece simples, mas é muito difícil de realizar uma coisa dessas”, afirma.

Segundo uma pesquisa realizada pela Adobe, as empresas líderes em criação de experiência, independentemente do ramo de atividade da empresa, têm uma percepção de marca 1,6 vez maior, têm 1,7 vez mais a retenção de novos clientes, e o crescimento da receita é 36% o mais rápido, além de reportarem também em maior satisfação dos clientes.

E para melhorar a experiência dos usuários, os principais executivos da empresa falaram sobre a necessidade de uma “hiper-personalização em escala” para o marketing.

Para isso, diz Rencher, um grande desafio que as empresas enfrentam é a falta de unidade dos perfis dos consumidores. Diversas áreas da empresa recolhem determinados dados sobre um consumidor e têm visões diferentes sobre ele, explica. Quem nunca recebeu propagandas sobre um produto depois de tê-lo comprado? Além de ser ineficaz para a emrpesa, isso gera uma frustração no cliente, afirma Rencher. Para lidar com isso, a Adobe lançou hoje o Experience Profile, uma plataforma desenhada especificamente para unificar os dados de cada cliente. “Além de colocar todos os dados em uma caixa única, é preciso criar um sentido para essas informações”, afirma Rencher. A ferramenta de perfil dos consumidores também se integra ao programa de inteligência artificial da Adobe, o Sensei. Outras soluções mostradas durante o evento facilitam a segmentação da publicidade online e criação mais ágil de peças publicitárias que se encaixam nos diferentes formatos online, de banners nos sites a emails.

“O machine learning nos ajuda na segmentação, na previsão da jornada do consumidor e permite uma experiência segmentada”, diz Rencher. “É uma forma de usar de uma forma prática aqueles dados que você coletou”.

Adobe Advertising Cloud, por exemplo, cria automaticamente novos tamanhos e formatos de uma peça publicitária – algo que atualmente toma muito tempo dos designers. Além disso, a ferramenta facilita a segmentação. Em um exemplo mostrado no palco, é possível alterar a foto e o texto de um anúncio em minutos, e destinar aquela comunicação a um público bastante específico (como pessoas de 18 a 24 anos que moram em Chicago, por exemplo). Assim, em vez de perder tempo criando vários formatos da publicidade e imaginando qual seria o resultado de determinada campanha, é possível colocar isso no ar rapidamente.

Transformação digital
O CEO da Adobe falou sobre a necessidade da transformação digital nas empresas e de uma mudança de mentalidade das companhias. Para conseguir criar uma experiência, as empresas precisam diversificar o design, diz ele, que não está mais apenas na criação de um site ou de uma peça publicitária. “O mundo é muito mais complexo que isso hoje, o design está em tudo, precisamos pensar em experiência em realidade virtual ou realidade aumentada, e é preciso criar engajamento também no mundo off-line”, diz Narayen.

As empresas também precisam aprender a usar os dados com inteligência, “para entender o que se passa na vida das pessoas, em tempo real, não atualizando uma vez por dia ou a cada semana”. Para lidar com a imensa quantidade de dados disponíveis, ferramentas de inteligência artificial e machine learning são cada vez mais importantes.

Por último, ele falou sobre as mudanças que precisam ser feitas na cultura das empresas. “Os processos das empresas foram feitos em outro mundo e para outro mundo. É preciso criar uma nova arquitetura dentro das empresas e prepara-las para a transformação digital”.

*A jornalista viajou a convite da Adobe – Fonte: epocanegocios

Curtir:

FacebookmailFacebookmail

Compartilhar:

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmailFacebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmail

3 sinais de que o seu site profissional precisa ser renovado

Criar Site profissional ou renovar site profissional

3 sinais de que o seu site profissional precisa ser renovado

Criar Site profissional ou renovar site profissional
Criar Site profissional ou renovar site profissional

Criar um site profissional é a chave para o seu negócio decolar!

Site profissional. Você já trabalha com a venda online de produtos, mas seu site profissional pode ser melhorado. Com um faturamento estável, chegou o momento de tomar essa decisão, que deve ser bem pensada e consciente — afinal, o investimento precisa valer a pena.

Por isso, o primeiro passo é refletir sobre quais são seus objetivos ao manter o site. Por exemplo: aumentar as vendas, oferecer um atendimento diferenciado, trazer autoridade para a marca etc. Essa análise é a base para uma possível renovação, porque é a partir dela que você identifica as oportunidades que está perdendo.

Para ajudar na sua reflexão, listamos, neste post, 3 sinais que indicam que você precisa renovar o seu site. Além disso, entenderá por que vale a pena profissionalizá-lo ainda mais e qual é o potencial de retorno que essa medida traz para o seu negócio. Vamos lá?

3 sinais de que é preciso renovar o site da sua empresa

Ter um site profissional é uma forma eficiente de ganhar credibilidade e aumentar sua presença online. Para um negócio baseado na internet, esses dois fatores são altamente estratégicos e oferecem vantagem competitiva.

(mais…)

Curtir:

FacebookmailFacebookmail

Compartilhar:

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmailFacebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmail

Tudo o que você precisa saber sobre plataformas de e-commerce está aqui

Plataformas de e-commerce, tudo o que você precisa saber está aqui!

Tudo o que você precisa saber sobre plataformas de e-commerce está aqui

Plataformas de e-commerce, tudo o que você precisa saber está aqui!
Plataformas de e-commerce, tudo o que você precisa saber está aqui!

Plataformas de e-commerce, o guia definitivo!

Plataformas de e-commerce. Parece história de sucesso dos filmes, mas, na verdade, é comum ver negócios online que começam as vendas informalmente. Com o tempo, aumentam tanto suas transações que seus gestores precisam tomar uma importante decisão. Investir ou não em plataformas de e-commerce para profissionalizar o ambiente de compra?!

Abrir uma loja virtual exige conhecimento, mas, principalmente, planejamento. Ao escolher uma plataforma, por exemplo, é preciso considerar qual cenário de sucesso está sendo planejado. Para o médio e longo prazo e quanto o investimento em tal solução impactará nos resultados do negócio.

Mas, uma coisa é certa: é preciso dar mais estrutura tecnológica ao negócio para que seja possível responder a novas demandas. Desta forma, crescer exponencialmente, automatizar alguns processos e passar credibilidade para o consumidor ao mesmo tempo.

Promover essas melhorias no seu negócio está em seus planos? Pois todas elas deveriam ser prioridades.

Para ajudar nesse planejamento, reunimos neste conteúdo todas as informações que devem ser consideradas em suas escolhas. Além de conceitos básicos que podem ser determinantes para a análise das opções e a negociação final. Acompanhe!

Leia também: O que fazem as empresas de desenvolvimento de lojas virtuais?

(mais…)

Curtir:

FacebookmailFacebookmail

Compartilhar:

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmailFacebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmail

Logotipo ou Logomarca, qual a diferença?

Logotipo ou logomarca

Logotipo – Entenda qual o significado e quando utilizar

Logotipo ou logomarca
Logotipo ou logomarca

A eterna briga entre profissionais que usam o termo “Logomarca” e os que batem o pé que o certo é “Logotipo“. Mas afinal, qual termo utilizar? Primeiro vamos entender o significado de cada termo:

Existem muitos designers, profissionais de marketing, comunicadores e publicitários que utilizam o termo “logomarca”, mesmo com muita gente torcendo o nariz ao ouvir. E, sim, esse termo existe no dicionário. Mas é só no Brasil que este termo existe; o restante do mundo utiliza variações das palavras logo, logotipo ou marca — mas nunca logomarca.

(mais…)

Curtir:

FacebookmailFacebookmail

Compartilhar:

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmailFacebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmail

Uma agência fora de Seri.e

Agência Seri.e

Agência é tudo igual? Como escolher a agência ideal? O que avaliar em uma agência?

Agência Seri.e
Agência Seri.e

Uma agência fora de “SERI.E” é tudo o que o empreendedor gostaria para sua loja virtual ou negócio. Ter um parceiro para agregar qualidade, comprometimento e gerar resultados positivos, além do custo x benefício, é interessante para a saúde e visibilidade da marca e, por apresentar soluções assertivas e de qualidade, aumenta o engajamento com o público alvo. Essa sacada de marketing já foi notada por quase todo o mercado: Qualidade + Comprometimento + Disciplina = Bons resultados 😉 . Entretanto, se a receita do bolo já está pronta, por quê os resultados finais são tão discrepantes de um parceiro para outro? Por que, cada vez mais, a busca por uma agência fora de “SERI.E” vem aumentando?

 

Agência sem receita de bolo!

A resposta é simples: mais do que ter a receita pronta, é preciso fazer a alquimia correta, misturar os ingredientes para agregar a massa e fazer com que esse bolo simples torne-se um mega bolo de festas!

Quantas vezes você já leu ou ouviu por aí que era só fazer tal coisa e pronto, haveria uma chuva de clientes comprando na sua loja, mas não deu certo?

Tudo isso acontece justamente porque a maioria das agências segue um padrão de mercado, tentando automatizar suas interações com o cliente e, no desespero de atender o máximo possível de clientes, param de ESCUTAR sobre o seu negócio, desperdiçando suas particularidades e minando suas chances de se destacar.

Para ter ideia, segundo a consultoria Big Data analisou, há mais de 371 mil sites e-commerces no Brasil. Se não houver nenhum trabalho diferenciado, logo o seu site será mais um entre esses tantos mil, mais um “mais do mesmo” brigando por preço e esquecendo que o cliente realmente quer: valor!

Bolo de chocolate é bom, uma delícia! Mas se seu cliente gosta e compra o bolo de morango, então por que fazer campanha para vender bolo de chocolate?

(mais…)

Curtir:

FacebookmailFacebookmail

Compartilhar:

Facebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmailFacebooktwittergoogle_pluspinterestlinkedinmail