7 habilidades de marketing digital para impulsionar as vendas da sua loja virtual

Os e-commerces são a nova tendência do empreendedor brasileiro. Eles possibilitam que qualquer pessoa tenha uma pequena empresa vendendo produtos online. Porém, é necessário pesquisar sempre sobre novas estratégias de marketing digital para não estagnar os negócios e perder clientes.

 

Por isso, confira no artigo de hoje 7 habilidades de marketing digital para impulsionar as vendas da sua loja virtual!

Análise de dados e testes

O primeiro passo para tomar decisões mais assertivas na sua loja virtual é analisar os dados do seu site.

Se você observa, por exemplo, que a maior parte de seus visitantes vêm de um canal de mídia específico (como Facebook), você poderá investir mais nesse canal.

Além disso, a partir dos dados você pode usar plataformas como o Optimizely para fazer testes em suas páginas, a fim de entender qual design ou copy converte mais, por exemplo, sem correr o risco de fazer uma mudança repentina.

UX Design

Durante a criação do seu site, o design de cada página precisa ser elaborado para aumentar suas conversões.

Por isso, a maior tendência do marketing digital é o UX Design, focado na experiência do usuário.

Integrando um sistema de feedback às suas páginas, como o Hotjar, você pode detectar os pontos fortes da sua página e onde é necessário fazer mudanças.

Nisso é importante incluir também a experiência no mobile e a criação de sites responsivos, pois atualmente o Brasil é o 5º país líder em uso de smartphones.

SEO

A otimização para os mecanismos de busca, conhecida como SEO, é fundamental para aumentar suas vendas de forma orgânica.

O objetivo do SEO é facilitar o rastreamento dos mecanismos de busca para encontrar o seu conteúdo.

A partir dele você pode aumentar seu tráfego orgânico, ou seja, sem pagar por anúncios, apenas investindo em otimizações a longo prazo.

HTML + CSS + JavaScript

Se engana quem pensa que para ter uma loja virtual basta divulgar os produtos para vendê-los.

Saber pelo menos o básico de programação é, atualmente, uma enorme vantagem competitiva para os donos de e-commerce.

Afinal, até mesmo em estratégias de SEO é necessário ter conhecimento do código das suas páginas para entender como cada função afeta a performance do site.

Para isso, aprenda o básico de:

  • HTML: É a linguagem básica do seu website, a estrutura dele;
  • CSS: Linguagem usada para definir a formatação visual do conteúdo HTML, a aparência;
  • JavaScript: Linguagem usada para gerar interatividade nos sites.

E-mail marketing

O e-mail marketing é um canal excelente para gerar conexão com o usuário, nutrir leads e aumentar suas conversões.

Sua principal vantagem é que o usuário decidiu se cadastrar na sua newsletter, ou seja, ele não se sente invadido, pelo contrário, decidiu receber seus e-mails por vontade própria.

Através do e-mail é possível quebrar objeções dos clientes, evitar o abandono de carrinho, fazer upselling e cross-selling.

Automação de marketing

Nem sempre será possível gerenciar todas as suas redes sociais manualmente. Para isso, invista na automação de marketing.

A automação de marketing é a estratégia de usar softwares de marketing para agir em escala e automaticamente.

Com esses softwares é possível identificar, monitorar e responder suas personas de forma personalizada.

Esses programas reduzem o trabalho manual da sua equipe de marketing e aumentam a eficiência do time, que passa a focar em tarefas mais relevantes.

Marketing de Conteúdo

Você sabia que um novo cliente pode custar até 7 vezes mais caro do que manter um cliente atual?

Por isso, investir em marketing de conteúdo é a chave para nutrir sua base de clientes e gerar valor para eles, mantendo seu público sempre interessado nos seus conteúdos.

Seja criando um blog, um canal no YouTube ou uma newsletter, o investimento em marketing de conteúdo não é tão alto e vai te gerar mais vendas e satisfação dos clientes.

Gostou das nossas dicas de 7 habilidades de marketing digital para impulsionar as vendas da sua loja virtual? Entre em contato

Pessoas compram experiências, não produtos”, diz CEO da Adobe

“Você se lembra das suas últimas férias?”, pergunta Shantanu Narayen, CEO da Adobe a um auditório com 12 mil pessoas. Analistas, profissionais de marketing e funcionários de empresas parceiras estão lá para saber o que a empresa prepara para o futuro. E ainda assim, o presidente da companhia quer falar sobre sua última viagem (que, por sinal, foi a Nova York, com sua esposa, para encontrar o filho que mora lá). Mais do que nunca, explica ele, é importante falar sobre experiências. A viagem durou 48 horas e foi planejada com pouquíssima antecedência – o que só foi possível por causa de várias plataformas online para comprar entradas para um musical, reservar o quarto de hotel, comprar a passagem aérea – mas apesar do pouco tempo lá, a experiência foi marcante, diz.

“Quando você lembra das experiências mais importantes da sua vida, pode não se lembrar dos detalhes, mas é a experiência geral que fica”, afirma Narayen. E apesar de o resultado final – a plataforma para reservar o hotel – parecer simples, há muito trabalho por trás disso. “Antes, os produtos eram a base da diferenciação, mas não mais. E para cada experiência positiva criada, houveram várias experiências ruins, que podem danificar o seu negócio”.

Durante a abertura do Adobe Summit 2018, em Las Vegas, ele afirmou que todos os negócios hoje precisam ter como base criar experiências para os usuários. E defende que todas as companhias podem fazer isso, inclusive aquelas que fornecem produtos e soluções para outras empresas (B2B). Afinal, diz ele, a expectativa das pessoas não muda quando vão para o escritório.

Brad Rencher, vice-presidente executivo da Adobe, ressaltou a importância de melhorar cada vez mais a experiência dos usuários. Recentemente, contou, ele começou a receber mensagens da companhia aérea Delta assim que a sua mala é colocada no avião – e quem já teve uma mala perdida sabe o valor dessa simples mensagem. “Parece simples, mas é muito difícil de realizar uma coisa dessas”, afirma.

Segundo uma pesquisa realizada pela Adobe, as empresas líderes em criação de experiência, independentemente do ramo de atividade da empresa, têm uma percepção de marca 1,6 vez maior, têm 1,7 vez mais a retenção de novos clientes, e o crescimento da receita é 36% o mais rápido, além de reportarem também em maior satisfação dos clientes.

E para melhorar a experiência dos usuários, os principais executivos da empresa falaram sobre a necessidade de uma “hiper-personalização em escala” para o marketing.

Para isso, diz Rencher, um grande desafio que as empresas enfrentam é a falta de unidade dos perfis dos consumidores. Diversas áreas da empresa recolhem determinados dados sobre um consumidor e têm visões diferentes sobre ele, explica. Quem nunca recebeu propagandas sobre um produto depois de tê-lo comprado? Além de ser ineficaz para a emrpesa, isso gera uma frustração no cliente, afirma Rencher. Para lidar com isso, a Adobe lançou hoje o Experience Profile, uma plataforma desenhada especificamente para unificar os dados de cada cliente. “Além de colocar todos os dados em uma caixa única, é preciso criar um sentido para essas informações”, afirma Rencher. A ferramenta de perfil dos consumidores também se integra ao programa de inteligência artificial da Adobe, o Sensei. Outras soluções mostradas durante o evento facilitam a segmentação da publicidade online e criação mais ágil de peças publicitárias que se encaixam nos diferentes formatos online, de banners nos sites a emails.

“O machine learning nos ajuda na segmentação, na previsão da jornada do consumidor e permite uma experiência segmentada”, diz Rencher. “É uma forma de usar de uma forma prática aqueles dados que você coletou”.

Adobe Advertising Cloud, por exemplo, cria automaticamente novos tamanhos e formatos de uma peça publicitária – algo que atualmente toma muito tempo dos designers. Além disso, a ferramenta facilita a segmentação. Em um exemplo mostrado no palco, é possível alterar a foto e o texto de um anúncio em minutos, e destinar aquela comunicação a um público bastante específico (como pessoas de 18 a 24 anos que moram em Chicago, por exemplo). Assim, em vez de perder tempo criando vários formatos da publicidade e imaginando qual seria o resultado de determinada campanha, é possível colocar isso no ar rapidamente.

Transformação digital
O CEO da Adobe falou sobre a necessidade da transformação digital nas empresas e de uma mudança de mentalidade das companhias. Para conseguir criar uma experiência, as empresas precisam diversificar o design, diz ele, que não está mais apenas na criação de um site ou de uma peça publicitária. “O mundo é muito mais complexo que isso hoje, o design está em tudo, precisamos pensar em experiência em realidade virtual ou realidade aumentada, e é preciso criar engajamento também no mundo off-line”, diz Narayen.

As empresas também precisam aprender a usar os dados com inteligência, “para entender o que se passa na vida das pessoas, em tempo real, não atualizando uma vez por dia ou a cada semana”. Para lidar com a imensa quantidade de dados disponíveis, ferramentas de inteligência artificial e machine learning são cada vez mais importantes.

Por último, ele falou sobre as mudanças que precisam ser feitas na cultura das empresas. “Os processos das empresas foram feitos em outro mundo e para outro mundo. É preciso criar uma nova arquitetura dentro das empresas e prepara-las para a transformação digital”.

*A jornalista viajou a convite da Adobe – Fonte: epocanegocios

3 sinais de que o seu site profissional precisa ser renovado

3 sinais de que o seu site profissional precisa ser renovado

Criar Site profissional ou renovar site profissional
Criar Site profissional ou renovar site profissional

Criar um site profissional é a chave para o seu negócio decolar!

Site profissional. Você já trabalha com a venda online de produtos, mas seu site profissional pode ser melhorado. Com um faturamento estável, chegou o momento de tomar essa decisão, que deve ser bem pensada e consciente — afinal, o investimento precisa valer a pena.

Por isso, o primeiro passo é refletir sobre quais são seus objetivos ao manter o site. Por exemplo: aumentar as vendas, oferecer um atendimento diferenciado, trazer autoridade para a marca etc. Essa análise é a base para uma possível renovação, porque é a partir dela que você identifica as oportunidades que está perdendo.

Para ajudar na sua reflexão, listamos, neste post, 3 sinais que indicam que você precisa renovar o seu site. Além disso, entenderá por que vale a pena profissionalizá-lo ainda mais e qual é o potencial de retorno que essa medida traz para o seu negócio. Vamos lá?

3 sinais de que é preciso renovar o site da sua empresa

Ter um site profissional é uma forma eficiente de ganhar credibilidade e aumentar sua presença online. Para um negócio baseado na internet, esses dois fatores são altamente estratégicos e oferecem vantagem competitiva.

Continue lendo “3 sinais de que o seu site profissional precisa ser renovado”

Tudo o que você precisa saber sobre plataformas de e-commerce está aqui

Tudo o que você precisa saber sobre plataformas de e-commerce está aqui

Plataformas de e-commerce, tudo o que você precisa saber está aqui!
Plataformas de e-commerce, tudo o que você precisa saber está aqui!

Plataformas de e-commerce, o guia definitivo!

Plataformas de e-commerce. Parece história de sucesso dos filmes, mas, na verdade, é comum ver negócios online que começam as vendas informalmente. Com o tempo, aumentam tanto suas transações que seus gestores precisam tomar uma importante decisão. Investir ou não em plataformas de e-commerce para profissionalizar o ambiente de compra?!

Abrir uma loja virtual exige conhecimento, mas, principalmente, planejamento. Ao escolher uma plataforma, por exemplo, é preciso considerar qual cenário de sucesso está sendo planejado. Para o médio e longo prazo e quanto o investimento em tal solução impactará nos resultados do negócio.

Mas, uma coisa é certa: é preciso dar mais estrutura tecnológica ao negócio para que seja possível responder a novas demandas. Desta forma, crescer exponencialmente, automatizar alguns processos e passar credibilidade para o consumidor ao mesmo tempo.

Promover essas melhorias no seu negócio está em seus planos? Pois todas elas deveriam ser prioridades.

Para ajudar nesse planejamento, reunimos neste conteúdo todas as informações que devem ser consideradas em suas escolhas. Além de conceitos básicos que podem ser determinantes para a análise das opções e a negociação final. Acompanhe!

Leia também: O que fazem as empresas de desenvolvimento de lojas virtuais?

Continue lendo “Tudo o que você precisa saber sobre plataformas de e-commerce está aqui”

Logotipo ou Logomarca, qual a diferença?

Logotipo – Entenda qual o significado e quando utilizar

Logotipo ou logomarca
Logotipo ou logomarca

A eterna briga entre profissionais que usam o termo “Logomarca” e os que batem o pé que o certo é “Logotipo”. Mas afinal, qual termo utilizar? Primeiro vamos entender o significado de cada termo:

Existem muitos designers, profissionais de marketing, comunicadores e publicitários que utilizam o termo “logomarca”, mesmo com muita gente torcendo o nariz ao ouvir. E, sim, esse termo existe no dicionário. Mas é só no Brasil que este termo existe; o restante do mundo utiliza variações das palavras logo, logotipo ou marca — mas nunca logomarca.

Continue lendo “Logotipo ou Logomarca, qual a diferença?”

Uma agência fora de Seri.e

Agência é tudo igual? Como escolher a agência ideal? O que avaliar em uma agência?

Agência Seri.e
Agência Seri.e

Uma agência fora de “SERI.E” é tudo o que o empreendedor gostaria para sua loja virtual ou negócio. Ter um parceiro para agregar qualidade, comprometimento e gerar resultados positivos, além do custo x benefício, é interessante para a saúde e visibilidade da marca e, por apresentar soluções assertivas e de qualidade, aumenta o engajamento com o público alvo. Essa sacada de marketing já foi notada por quase todo o mercado: Qualidade + Comprometimento + Disciplina = Bons resultados 😉 . Entretanto, se a receita do bolo já está pronta, por quê os resultados finais são tão discrepantes de um parceiro para outro? Por que, cada vez mais, a busca por uma agência fora de “SERI.E” vem aumentando?

 

Agência sem receita de bolo!

A resposta é simples: mais do que ter a receita pronta, é preciso fazer a alquimia correta, misturar os ingredientes para agregar a massa e fazer com que esse bolo simples torne-se um mega bolo de festas!

Quantas vezes você já leu ou ouviu por aí que era só fazer tal coisa e pronto, haveria uma chuva de clientes comprando na sua loja, mas não deu certo?

Tudo isso acontece justamente porque a maioria das agências segue um padrão de mercado, tentando automatizar suas interações com o cliente e, no desespero de atender o máximo possível de clientes, param de ESCUTAR sobre o seu negócio, desperdiçando suas particularidades e minando suas chances de se destacar.

Para ter ideia, segundo a consultoria Big Data analisou, há mais de 371 mil sites e-commerces no Brasil. Se não houver nenhum trabalho diferenciado, logo o seu site será mais um entre esses tantos mil, mais um “mais do mesmo” brigando por preço e esquecendo que o cliente realmente quer: valor!

Bolo de chocolate é bom, uma delícia! Mas se seu cliente gosta e compra o bolo de morango, então por que fazer campanha para vender bolo de chocolate?

Continue lendo “Uma agência fora de Seri.e”

7 características essenciais que todo site de e-commerce deve ter

7 características que todo site de e-commerce deve ter

Descubra quais são os pontos mais importantes para o seu e-commerce

Site de e-commerce
Site de e-commerce

Site de e-commerce. Não existe um site de e-commerce igual ao outro. Apesar, de as tendências no setor ajudarem as lojas virtuais e sites de e-commerce a se manterem relevantes e com baixas taxas de rejeição, são o conteúdo e os produtos ou serviços ofertados que permitem a sobrevivência da página em um mercado cada vez mais competitivo.

E é justamente devido à alta competitividade para conseguir conquistar a atenção e um espaço no orçamento do consumidor que fazer o básico deixa de ser suficiente. É preciso ir além e investir em características que darão longevidade ao site de e-commerce. Quer saber quais são elas? Confira a seguir.

1. Facilidade de uso

Simplicidade deve ser o principal objetivo ao pensar no design da loja virtual. Segundo dados da Hubspot,, 76% dos consumidores online afirmam que a facilidade para navegar nas páginas e entender as informações nelas contidas é a característica mais importante no processo de decisão por comprar ou não de dado fornecedor.

O consumidor precisa atingir o seu propósito na página fácil e rapidamente. Toda e qualquer complexidade desnecessária será um desestímulo para a compra.

O vendedor de e-commerce tem minutos, às vezes segundos, para completar uma venda. Focar na experiência do usuário, fornecer reviews de produtos e um FAQ informativo é fundamental em toda loja virtual.

2. Fotos e vídeos em alta qualidade

Há muito tempo, deixou de ser suficiente uma única foto com alguns bullet points descrevendo o produto para que uma venda fosse concretizada. O consumidor atual quer ver o item de múltiplos ângulos e, se possível, sendo utilizado em diferentes ambientes antes de tomar a decisão.

Quanto mais detalhes a imagem trouxer, mais próxima será a sensação que o consumidor terá de possuir o produto. Por isso, é preciso ter alguns cuidados na hora de fazer o upload de imagens no site de e-commerce.

O fundamental é que elas não demorem muito para carregar, já que, quando isso acontece, 39% dos consumidores deixam de tomar a ação esperada pelo vendedor (seja colocar o produto no carrinho, seja, de fato, concluir a compra).

A premissa é: imagens vendem, textos não. Por isso, exibir múltiplas imagens por produto, em alta resolução e otimizadas para a página carregar rapidamente é impreterível para o sucesso do site de e-commerce.

Site de e-commerce
Site de e-commerce

3. Mobile friendly

Segundo regras do Google, desde 2017, todos os sites devem ser mobile friendly, ou arcar com a não priorização da ferramenta de busca na hora de ranqueá-los nas páginas de resultados.

Um portal responsivo é aquele em que o seu conteúdo se adapta a qualquer dispositivo em que esteja sendo acessado (tablets, smartphones, desktops ou notebooks). Surpreendentemente, muitos sites ainda não aderiram a um design responsivo.

4. Campo de busca

A barra de buscas é o equivalente ao vendedor em uma loja tradicional. No mundo online, em vez de perguntar se há o produto ou onde ele se encontra a um representante comercial, o cliente buscará a resposta no campo de buscas. Por isso, é importante um cuidado especial com essa funcionalidade.

Fique atento aos seguintes pontos:

  • visibilidade: ela precisa estar visível em qualquer lugar do site em que o cliente estiver. Usualmente, ela sempre se encontra na parte superior;
  • ajuda na busca: deixe fixado, no campo de busca, o que você espera que o consumidor faça. Geralmente, são usadas algumas frases, como “o que você procura?” “insira aqui a palavra-chave”, “o que você deseja buscar?”, entre outras;
  • preenchimento automático: quando o possível consumidor começar a buscar por um item, a barra já deve exibi-lo, assim, as chances de conversão são muito maiores.

5. Descrição dos produtos

Um dos erros mais comuns é usar frases que apenas descrevem os produtos em vez de vendê-los. É preciso esclarecer quais são as buyer personas que o e-commerce quer atingir e utilizar um copywriting que seja apelativo para essa audiência-alvo.

Veja dicas de como descrever os produtos da sua loja virtual:

  • entenda que a descrição deve responder seis perguntas fundamentais: para quem é o produto, quais são os seus detalhes e seus diferenciais, onde ele pode ser utilizado, quando ele pode ser utilizado, por que é uma boa ideia comprar o produto e como ele funciona;
  • deixe explícita a proposta de valor, ou seja, mais do que descrever as funcionalidades, é preciso deixar claro como elas impactam o dia a dia da buyer persona;
  • escolha um tom de voz que diferencie o seu e-commerce da concorrência. Se o concorrente usar um tom mais corporativo e sério, você pode optar por um mais leve e divertido, por exemplo;
  • elimine o sentimento de culpa do consumidor. A maioria das pessoas se sente culpada ao gastar dinheiro, mas, se você deixar claro que é uma oferta imperdível, que o produto é exclusivo e que é um ótimo negócio, elas estarão mais propícias à compra;
  • use mais verbos e menos adjetivos;
  • preocupe-se com SEO ao descrever os produtos;
  • aposte na comprovação social (social proof). Quanto melhores forem as reviews e histórias reais de uso do produto, melhor.

6. Layout do site de e-commerce

Se você quer que o visitante fique no seu site e veja o que você tem a oferecer, é preciso que essa experiência seja agradável. O layout do e-commerce tem papel fundamental nas taxas de conversão. Por isso, lembre-se:

  • use espaços em branco para minimizar a sensação de tumulto e desordem entre os produtos. Assim, é possível criar uma hierarquia visual;
  • aposte em fontes customizáveis para dar personalidade e deixar os textos legíveis;
  • use o design para contar histórias (storytelling);
  • não tenha longos blocos de texto;
  • não tenha informações desnecessárias na homepage.

7. Política de devolução

As políticas de retorno de mercadorias devem ser claras, visíveis e ilustradas. Preferencialmente, representando uma excelente forma de construir um relacionamento de confiança com o consumidor. Assim, o possível cliente se sente mais propício a comprar pois saberá que, caso ele esteja insatisfeito, poderá devolver ou trocar o item.

Uma pesquisa da Invest mostra que:

  • 30% dos produtos comprados online são devolvidos;
  • 92% dos consumidores comprarão novamente do site se o processo de retorno for fácil;
  • 67% dos consumidores conferem as políticas de devolução antes da compra.

Seguir estas dicas, tornará o seu site de e-commerce mais preparado para enfrentar a concorrência e reter clientes. Para descobrir como aumentar as chances de sua empresa ser uma loja virtual de sucesso, entre em contato com a gente!

Crescimento do e-commerce no Brasil em 12 dados

Crescimento do e-commerce pode ajudar o seu negócio!

O crescimento do e-commerce no Brasil é devido a fatores como maior acesso à internet e disseminação dos dispositivos móveis inteligentes.

No entanto, é preciso entender como está o panorama mercadológico atual da área para estruturar sua loja virtual com base nas oportunidades do setor.

Para ajudar você, separamos 12 dados que demonstram como o comércio eletrônico se fortaleceu, indo, na contramão da recente crise. Não deixe de conferir!

1- O faturamento do setor alcançou R$ 47,7 bi, em 2017

De acordo com a 37º edição da pesquisa Webshoppers (2018), feita pela Ebit e em parceria com a Elo. O faturamento do e-commerce, em 2017, foi de R$ 47,7 bilhões. Isso representa aumento de 7,5% em relação a 2016, quando o setor registrou R$ 44,4 bi.

A elevação nos números se deu porque, em 2017, houve 111,2 milhões de pedidos feitos nos e-commerces, ante 106,3 milhões do ano anterior — uma expansão de 5%.

O ticket médio/consumidor se ampliou, de R$ 418 (2016), para R$ 429 (2017), um aumento de 3%.

2- Crescimento do e-commerce no Brasil foi de 12%

O comércio eletrônico, em 2017, teve crescimento de 12% em relação a 2016. Isso é o que aponta outro estudo, o E-commerce Radar 2017, feito pela Atlas, que atua com análise de dados, e apoiado pela Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm).

3- A expectativa de crescimento para 2018 também é de 12%

A Ebit prevê aumento nominal também de 12% no mercado para 2018, em que o faturamento deve chegar a R$ 53,5 bilhões. Isso se dá por causa da recuperação da economia brasileira, da consolidação das vendas em dispositivos móveis e do fortalecimento das transações nos marketplaces.

4- O número de consumidores chegou a 55,15 milhões, em 2017

O radar Webshoppers relata que a quantidade de consumidores ativos no país passou de 47,93 milhões (2016), para mais de 55 milhões no ano seguinte, alta de aproximadamente 15%. Clientes ativos são os brasileiros que realizaram ao menos uma compra digital no ano.

5- O investimento em tecnologia pelas lojas virtuais corresponde, em média, a 9% da receita

Segundo dados de um estudo da Forrester Research, feito em parceria com o portal E-commerce Brasil, em 2016, o investimento médio em tecnologia da informação corresponde a 9% das receitas provenientes das vendas. No entanto, é interessante destacar que negócios digitais diretos (que atuam só na internet) costumam aplicar mais em TI do que os varejistas que têm lojas físicas.

6- 27,3% das compras, em 2017, foram feitas em smartphones ou tablets

A pesquisa do Ebit aponta que 27,3% das compras no ano passado foram via mobile, reforçando a preferência dos consumidores.

O estudo do Atlas, por sua vez, indica que o percentual de compras por meio de dispositivos móveis foi de:

  • 31% em 2017 (9% maior que o ano anterior)

Ambos os relatórios reforçam a necessidade de se definir estratégias específicas, conforme os dados apresentados acima.

7- 31,5% das vendas foram feitas em marketplaces

O ano de 2017 também foi marcado pelo fortalecimento das transações realizadas em marketplaces, como aponta a 37° edição Webshoppers. Isso porque, ao considerar o mercado total de bens de consumo (o que inclui sites de vendas de mercadorias novas/usadas e sites de artesanato), o segmento atingiu R$ 73,4 bilhões. O crescimento foi de 21,9% em relação a 2016.

A pesquisa do Atlas também reforçou esse dado, indicando que as vendas em marketplaces corresponderam a 31,5% das operações do comércio eletrônico brasileiro.

8- Perfil dos compradores é majoritariamente feminino

O relatório do Ebit destaca a predominância das mulheres nas compras online em 2017. Embora, a diferença com os homens tenha diminuído na comparação com 2016. A participação feminina foi de 50,6%, contra 49,4% da masculina. No ano anterior, a representação era de 51,6% e 48,4%, respectivamente.

9- Compras à vista cresceram e representam 49,8% do total

Do montante de compras feitas no ano passado, 49,8% foram pagas à vista. Esse dado é do relatório do Ebit, que destaca ainda que as transações parceladas em 2 ou 3 vezes representam 18,7% do volume total, enquanto parcelamentos entre 4 e 12 vezes significam 31,5%.

Isso vem ao encontro com um dado reportado sobre o pagamento com boletos no estudo do Atlas. Ele indica que 35,5% dos pedidos efetuados tiveram o boleto como forma de pagamento, sendo que, desse total, 48,5% foram efetivamente quitados. Normalmente, boletos são pagos à vista.

Além do mais, a média de parcelamento recuou de 3,5 meses, em 2016, para 3,3 meses em 2017.

10- Abandono de carrinhos chega a 82,3%

Embora pareça um dado negativo, o fato de 82,3% dos carrinhos gerados serem abandonados (conforme o estudo do Atlas) significa que há muita margem para melhorias que estimulem o aumento das vendas.

Em outras palavras, é possível implantar estratégias virtuais para gerar volume maior de conversões, contribuindo ainda mais para o crescimento do comércio eletrônico.

11- A taxa média de conversão do e-commerce brasileiro é de 1,4%

A média de conversões dos clientes que acessam lojas virtuais é de 1,4% (dados do Atlas sobre 2017). Em 2016, a porcentagem era de 1,6%. Essa queda se dá pelo aumento da participação dos dispositivos móveis, que costumam ser menos eficientes nas conversões.

Isso também dá margem para a estruturação de novas estratégias mercadológicos para smartphones, tablets e outros aparelhos móveis. Visto que há carência de maior efetividade nesses meios.

12- 58,5% das vendas foram para visitantes que retornaram

Em 2017, de acordo com o relatório do Atlas, 58,5% das vendas foram para visitantes que retornaram aos e-commerces. Já 41,5% das operações são de clientes novos.

Esses dados significam que as lojas virtuais estão conseguindo se aproximar de seus consumidores, reforçando seus relacionamentos. No entanto, 77% dos clientes fez uma só compra no ano, o que significa que há margem para estabelecer ações que visem a elevação da recorrência nas aquisições por parte dos usuários.

Dicas para quem quer investir

Como visto, o comércio eletrônico brasileiro tem apresentado crescimento em várias áreas. Demonstrando que há espaço para novos empreendimentos virtuais. Contudo, ainda há desafios para superar, como:

– Aumentar as margens de conversões;
– Elevar a recorrência nas compras dos clientes;
– Diminuir as porcentagens de abandonos de carrinhos.

Esses três pontos podem ser trabalhados como oportunidades por novos estabelecimentos virtuais para conseguirem competir com as grandes lojas virtuais e se consolidarem nesse mercado. Além disso, separamos algumas dicas para quem deseja investir no setor, confira:

– Otimize o seu e-commerce para os dispositivos móveis, adotando uma plataforma que ofereça layout full responsivo;

– Selecione um nicho para começar e amplie gradativamente o seu escopo de atuação. Isso possibilita adquirir experiência em comércio digital enquanto constrói uma boa base de clientes fiéis à marca;

– Não se esqueça de empregar ações de marketing nas redes sociais para conquistar novos consumidores;

– Estabeleça um bom relacionamento com o seu público;

– Esteja atento a tendências tecnológicas que possam ajudar seu e-commerce a melhorar os resultados, como o uso de social login e de gamificação.

Os dados mostram que há um expressivo crescimento do e-commerce no Brasil. Nesse contexto, existe espaço para quem quer aproveitar as oportunidades dessa expansão. Para tanto, é importante dar o primeiro passo estruturando bem sua loja virtual desde o começo e aproveitando as dicas transmitidas acima.

Gostou dos dados apresentados? Compartilhe-os nas suas redes sociais e seja referência no assunto!

 

fonte:  ecommercenews

Adobe compra Magento por 1,68 bilhões de dólares

A Adobe anunciou a compra da plataforma Magento, que lhe permite ter presença no comércio eletrónico para B2B e B2C e que vai integrar a Experience Cloud.


A Adobe, líder em design e entrega de experiências digitais por meio de conteúdo e dados, quer integrar também o comércio para a experiência do cliente, seja na web, em dispositivos móveis, em redes sociais, no on-line ou na loja.

Adobe quer competir com a Salesforce, que comprou recentemente a Demandware e que está presente em marketing, vendas e serviços. A Adobe reforça o portfólio com a Magento que irá preencher uma lacuna na Experience Cloud e permite finalizar uma transação digital que tenha sido iniciada com as ferramentas digitais de marketing que a empresa já tinha. Por outro lado, esta compra vai aproximar a Adobe da Microsoft, vaticina Brent Leary, que detém a CRM Essentials e que monitoriza a intersecção entre CRM e marketing.

A Salesforce é o alvo a abater por parte destas duas empresas. Esta gigante faturou 8 bilhões de dólares no ano passado.

A Magento, comprada agora, focou-se no segmento de pequenas e médias empresas, embora tenha grandes nomes como a Coca-Cola, enquanto a Adobe especializou-se nas grandes empresas.

Um pouco mais sobre o Magento:

A Magento produz programas para a construção e manutenção de lojas virtuais, com sistemas para gestão de compras, entregas, pagamentos, possíveis devoluções, criação de anúncios em redes sociais e otimização para ferramentas de buscas. Ela foi parte do eBay por cinco anos, tendo sido separada em 2015.

Ela é uma das plataformas de comércio eletrônico mais utilizadas do mundo, tendo uma versão de código aberto que pode ser implementada gratuitamente pelas lojas. Uma edição paga mais completa, com ferramentas avançadas e direito a suporte técnico, também pode ser adquirida. A Adobe avisou que vai anunciar mais detalhes da compra quando a transação for concluída, o que deve acontecer no final deste ano.

A Plataforma Magento é construída sobre tecnologia comprovada e escalável, apoiada por uma comunidade de mais de 300.000 desenvolvedores. O ecossistema de parceiros Magento oferece milhares de extensões pré-construídas, incluindo pagamento, frete, impostos e logística. Esse nível de flexibilidade permite que as empresas acelerem rapidamente e iterem seus recursos de negócios para suas necessidades exclusivas de negócios.

Os atuais clientes do Magento incluem marcas como Canon, Helly Hansen, Paul Smith e Rosetta Stone. A Adobe e a Magento compartilham clientes em comum, incluindo Coca-Cola, Warner Music Group, Nestlé e Cathay Pacific.

Fbits – Lojas evoluem a cada dia, para que seus clientes comprem a cada minuto!

Experiência para seu e-commerce vender mais.

Focados no que realmente importa!

A Fbits através do maior e mais estável ecossistema de e-commerce, nossas lojas evoluem a cada dia, para que seus clientes comprem a cada minuto. Com a gente você amplia suas possibilidades de vendas tendo uma plataforma multicanal escalável e segura. Nós pensamos em tudo, você só precisa focar nas vendas!

Sua loja do seu jeito

Sabemos que você precisa de independência na hora de deixar seu sonho como sempre quis! Então temos um ambiente pronto para atender suas necessidades de personalização e proporcionar ao seu consumidor uma experiência única.

Integrações que você precisa

Anuncie seus produtos para mais de 400 milhões de pessoas por mês pode ser mais fácil do que você imagina!

Liberdade para crescer e evoluir sempre

Somos a maior empresa de tecnologia da América Latina e fazemos parte de um grupo com mais de 1.000 colaboradores motivados por desenvolver e contribuir para a evolução sustentável de nossos clientes.

O sucesso do seu e-commerce está aqui!

Acesse agora